Time de Campinas só conseguiu arrancar a igualdade no placar no final do jogo, com gol de Mancuso

A defesa do Boa Esporte até que conseguiu neutralizar o artilheiro Ricardo Jesus, mas o ataque da equipe deixou a desejar, e chegou inclusive a desperdiçar um pênalti, o que colaborou para o empate em 1 a 1 contra a Ponte Preta, gols de Jheimy para os donos da casa e Mancuso para os visitantes. O duelo foi realizado nesta terça-feira, no estádio Dilzon Melo, em Varginha.

O resultado não foi bom para nenhuma das duas equipes, que ficaram um pouco mais longe dos seus objetivos. O time boveta chegou a 23 pontos, segue no bloco intermediário da tabela e continua a luta para se manter na série B. Já a Macaca, perdeu uma ótima oportunidade de encostar na líder Portuguesa, que perdeu nesta terça-feira.

Na próxima rodada de série da B do Campeonato Brasileiro, o Boa vai visitar Náutico, no estádio do Aflitos, na sexta-feira. No mesmo dia, a Ponte Preta terá compromisso, às 20h30, contra o ABC-RN, no Frasqueirão.

O jogo
Atuando fora de casa, a Ponte Preta não quis se expor no começo do jogo, e iniciou a partida de forma lenta, trocando passes no campo de defesa e esperando a oportunidade de sair no contra-ataque. Como os donos da casa não foram para cima, a partida teve alguns minutos de monotonia, que só foi quebrada, aos seis minutos, quando Jheimy tentou marcar de letra, mas Júlio César levou a melhor.

Aos poucos, o time mineiro passou a criar jogadas mais agudas, preocupando a defesa da Macaca. Aos 12, o sempre perigoso atacante Jheimy, foi derrubado dentro da área, o árbitro Wagner Reway não titubeou e marcou o pênalti. Waldison cobrou, mas a bola explodiu na trave esquerda do goleiro Júlio César, frustrando as expectativas da torcida do Boa, que esperava a abertura do placar.

Com o artilheiro Ricardo Jesus, bem marcado pela defesa da equipe boveta, a melhor da série B do Brasileiro, e com um meio-campo pouco criativo, a Ponte Preta encontrou muitas dificuldades para chegar à meta do goleiro Luiz Henrique, que foi um mero expectador no primeiro tempo.

Com as duas equipes encontrando problemas com a saída de bola, a opção mais usada no jogo foi a famosa ligação direta, que colaborou para a baixa qualidade técnica do espetáculo, que foi presenciada pelo público que compareceu no estádio Dilzon Melo, em Varginha. As principais jogadas ofensivas nasceram em lances de bola parada, mas os defensores, quase sempre bem postados, levaram a melhor sobre os atacantes.

Aos seis minutos do segundo tempo, o avante Jheimy aproveitou cruzamento da direita, a defesa da Ponte Preta não conseguiu fazer o corte, e o artilheiro boveta mandou as redes, abrindo o placar em Varginha. O gol melhorou a partida, fazendo com que o time paulista partisse para cima do Boa em busca do empate, deixando o jogo mais aberto e com um número maior de oportunidades.

Aos 11, a Macaca conseguiu trocar passes com eficiência pela primeira vez no jogo, mas a conclusão da jogada foi mal feita, e o goleiro Luiz Henrique conseguiu fazer a intervenção. Com vantagem no placar, o time do técnico Nedo Xavier recuou as linhas de marcação e deu espaços para a Ponte Preta, que tomou as rédeas da partida.

Apesar do domínio da Macaca, o Boa também levava perigo em lances esporádicos. Aos 28, o armador Carlos Magno teve excelente chance de marcar, mas o arremate da marca do pênalti subiu demais, e passou sobre a meta do goleiro da equipe de Campinas. Aos 39, o time paulista foi premiado com o gol de empate em cobrança de falta do volante Mancuso, que com uma batida perfeita, não deu chances para o arqueiro boveta.

FICHA TÉCNICA
BOA ESPORTE 1 X 1 PONTE PRETA

Local: Estádio Dilzon Melo, em Varginha (MG)
Data: 16 de agosto de 2011 (terça-feira)
Horário: 21h50 (horário de Brasília)
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Assistentes: Joadir Leite Pimenta (MT) e Fábio Rodrigo Rubinho (MT)
Cartões amarelos: Higo e Waldison (Boa Esporte); Uendel, Ferron, Leandro Silva, Guilherme e Júlio César (Ponte Preta)
Gols: Boa Esporte: Jheimy, aos seis minutos do segundo tempo
Ponte Preta: Mancuso, aos 39 minutos do segundo tempo

BOA ESPORTE: Luiz Henrique; Carlos César, Pablo, Thiago Carvalho e Higo (Marinho Donizete); Claudinei; Moisés (Jean Cléber), Olívio e Carlos Magno; Jheimy (Valdo) e Waldison
Técnico: Nedo Xavier

PONTE PRETA: Júlio César; Guilherme, Leandro Silva, Ferron e Uendel (João Paulo); Xaves (Gerson), Mancuso, Renato Cajá e Renatinho; Ricardinho (Lúcio Flávio) e Ricardo Jesus
Técnico: Gilson Kleina

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.