Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Petkovic: "Nem Spielberg faria igual"

Sérvio volta a treinar e vive emoção da despedida, dos 10 anos do tri e do lançamento do filme "O Gringo"

Thales Soares, iG Rio de Janeiro |

Petkovic voltou a treinar com o grupo de jogadores do Flamengo nesta quinta-feira. Ele começou a sua preparação física e técnica para sua despedida dos gramados, dia 5 de junho, contra o Corinthians, no Engenhão, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro, e no amistoso com o Estrela Vermelha, dia 9 de agosto, em Belgrado.

iG Flamengo no Twitter: saiba tudo sobre seu time

Aos 38 anos, com um largo sorriso, vive um momento especial em sua vida, com a comemoração dos 10 anos do gol do tricampeonato estadual de 2001, nesta sexta-feira, e o lançamento do documentário “O Gringo”, nesta quinta-feira, sobre a sua carreira. Animado, espera receber a vitória sobre o Corinthians de presente e não vê melhor forma de finalizar o filme.

Entre para a Torcida Virtual do Flamengo e convide seus amigos

 “Acho que nem o (Steven) Spielberg poderia planejar um final como esse, como foi a conquista do Brasileiro de 2009”, afirmou Petkovic, que passará a exercer a função de embaixador do Flamengo até o fim do seu contrato de atleta, em dezembro deste ano. “No futuro, vamos ver se posso ocupar algum outro cargo no Flamengo”.

Alexandre Vidal/Agência FotoBR
Petkovic voltou aos treinos do Flamengo nesta quinta

O retorno
“Eu ainda sou jogador, pelo menos nas energias, voltei a ver meus colegas e a rotina de trabalho. estou nessa há 23 anos. Lógico que achava e acho que poderia ser útil. Mesmo sem jogar, com conselhos, não somente dentro das quatro linhas”.

Afastamento
“Se fosse há 10 anos, teria ficado chateado. Mas com a experiência e a maturidade que tenho, não houve problema. Mudei meu comportamento. Eu não tenho mais aquele jeito de quando era jovem. Não voltei ao Flamengo por vaidade, mas para mostrar que ainda poderia fazer alguma coisa. Eu me surpreendi (quando fui afastado). Todo mundo se surpreendeu. O Flamengo cumpriu suas obrigações e eu nunca perguntei porque jogava, então não havia porque questionar o motivo de estar fora”.

O gol do tri
“Foi uma emoção muito grande, algo marcante, realmente importante, que deu alegria a muitas pessoas, para a nação rubro-negra. Foi arrepiante. Quando passa o jogo, você vê como se fosse uma coisa normal, cheio de adrenalina. Só depois de anos é que você percebe a importância, foi além do que eu imaginava”.

O momento antes do gol
“Foi uma tentativa de me isolar naquele momento. Não vi torcida, não vi nada. Muitos companheiros vieram me dar força, dar uma palavra de apoio, mas não ouvi. Só pensava na trajetória da bola”.

Lições de Zagallo
“O Zagallo pedia para alguém colocar a camisa no travessão, e a intenção era derrubá-la ou acertar a bola entre ela e a trave (nos treinos de cobranças de falta). Na maioria das vezes derrubava a camisa acertando o travessão”.

Fora de série
“Qualquer jogador que faz um gol importante já é diferente. Deus me deu esse talento e a qualidade para saber explorar minha virtude e cada vez fui melhorando”.

Embaixador
“Estamos trabalhando nisso há algum tempo. Vou seguir o caminho para assumir outra função dentro do clube. O Flamengo tem a prioridade e se acharem que eu sou apto a exercer alguma função, estou à disposição”.

null

Aposentadoria
“A minha parada aconteceu dentro do planejamento. Poderia ter parado antes, mas enquanto me sentia útil continuei jogando. Estou me cuidando, às vezes você quer chutar o balde, descansar sem fazer nada, tomar um vinho, mas jogador quando para é uma tristeza. é uma carreira muito curta. Eu nem achava que jogaria tanto tempo. Na minha primeira passagem pelo Flamengo, disse que jogaria mais dois ou três anos somente”.

Confronto com o Corinthians
“É um jogo muito importante. Quando eu jogo, quero ganhar. É contra um clube grande o futebol brasileiro e seria realmente um presente ganhar os três pontos nesse jogo. Ainda vai ter um último lá na Sérvia. Mas dentro da minha experiência, ainda tem uma ansiedade”.

Preferência pelo Flamengo
“O Flamengo perde um jogador, mas o ídolo fica. Vai ficar para sempre. Eu gosto do Flamengo. Criei mais vínculo aqui do que com outros clubes, mas tenho carinho por quase todos. Sou respeitado pelos outros grandes no Rio e isso é difícil”.

Ronaldinho Gaúcho
“É um cara alegre. Se você não o conhece, até fica surpreso. É um craque mundial, que sempre faz alguma coisa diferente. Todo mundo gosta dele. Ele tem como ser um ídolo dentro do Flamengo, já é um ídolo brasileiro”.

Vipcomm
Petkovic e o "craque mundial" Ronaldinho Gaúcho nesta quinta

Número da camisa
A 10 está bem entregue (ao Ronaldinho). Provavelmente, vou usar a 43, que está vaga (ele usou a 43, em referência ao minuto do gol do tri em 2009). Mas não posso garantir nada.

Último capítulo
“Não é o último capítulo. O filme já está pronto. Só se fosse para “O Gringo 2”. A ideia do filme veio logo depois do gol do tri, quando os responsáveis pelo roteiro e a direção viram a idolatria que eu vivia naquele momento. Em 2008, decidi fazer e no ano seguinte voltei ao Flamengo, o que mudou tudo. Esse sim foi o último grande capítulo, o hexa. Acho que nem o (Steven) Spielberg poderia planejar um final como esse, como foi a conquista do Brasileiro de 2009”.

null

Leia tudo sobre: FlamengoBrasileirão 2011petkovicaposentadoriafilme

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG