Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Perrella anuncia saída: “A história dirá o que fizemos pelo time"

Presidente alega que funções no Senado estão tomando muito tempo e apresenta seu sucessor

Frederico Machado, iG Belo Horizonte |

A tarde dessa sexta-feira entra para a história do Cruzeiro. O presidente Zezé Perrella anunciou na sede do clube que não será candidato à reeleição em outubro, marcando o fim da “dinastia Perrella”, que já durava 16 anos no clube. Perrella fez um balanço dos seus anos como dirigente e deixou a modéstia de lado: “fomos vitoriosos”. A coletiva serviu ainda para a apresentação do candidato apoiado pela situação: Gilvan de Pinho Tavares, atual vice-presidente.

Siga o iG Cruzeiro no Twitter e receba todas as informações do seu time em tempo real

Perrella justificou sua decisão por conta do cargo no Senado. “Não esperava que acontecesse o que aconteceu. Mas o Itamar Franco (ex-presidente falecido) se foi e não posso fugir desse compromisso. Seria muito difícil estar em Brasília e o Cruzeiro disputando uma final de Campeonato. Seria muito cobrado por isso e um sacrifício muito grande. Meu compromisso com Minas Gerais foi o que mais pesou”, explicou Perrella.

Entre para a Torcida Virtual do Cruzeiro e convide seus amigos

Divulgação
Perrella anuncia sua saída ao lado do futuro candidato Gilvan de Pinho Tavares, atual vice-presidente do Cruzeiro

Perrella fez um balanço de seus anos à frente do Cruzeiro e explicou a falta de oposição forte nos bastidores. “Foram 22 títulos na dinastia Perrella. As pessoas acham que tem que ter oposição. Os números falam por si. Vai ter oposição a quê? O conselho sempre foi atuante. Temos a melhor contabilidade do Brasil. Poucos clubes têm a nossa organização”, disse.

Sem modéstia, o presidente falou sobre os avanços em suas gestões. “A maior conquista não foram nem os títulos. Transformamos o Cruzeiro na sexta maior torcida do país com oito milhões de torcedores. Fomos vitoriosos. A história dirá o que fizemos ou o que deixamos de fazer pelo Cruzeiro”, disse em tom de despedida.

Sobre a pressão da torcida nos últimos tempos, Zezé se mostrou despreocupado. “Agradável não é. Mas não tem peso. Já passei por situações mais complicadas. A grande manifestação tinha 19 pessoas aqui. Turminha do estádio, não passa de 500 ou 600. Quem ocupa cargo tem que estar preparado. É deselegante, depois de tudo que fizemos pelo clube. A família fica chateada, mas eu não. Meia dúzia que não entendem como é tocar um clube”, disparou.

O presidente descartou voltar em um futuro próximo e revelou que chegou a consultar o irmão Alvimar sobre um possível retorno. “Conversamos com o Alvimar para ver se topava. Foi vitorioso, mas sabe a dificuldade que é. Tem que gostar muito. Gustavo (Perrella, atual deputado estadual e filho de Zezé) nem pensa nessa hipótese. Aqueles que não gostam dos Perrellas, podem ficar despreocupados, pois não tem outro vindo por aí”, brincou.

Perrella anunciou o apoio a Gilvan de Pinho Tavares, que também foi pêgo de surpresa. "A decisão do presidente me pegou de surpresa também. Não é uma tarefa que me amedronte, pois tenho ao lado dele todo esse tempo que esteve aqui. O maior desafio será o momento, já que a Europa está em crise e a venda de jogadores diminuiu bastante", já disse como se fosse o novo presidente. As eleições presidenciais no Cruzeiro serão em outubro.
 

Leia tudo sobre: CruzeiroZezé PerrellaBrasileirão 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG