Clube uruguaio venceu o torneio em cinco oportunidades, todas jogando longe de casa

Clube com maior número de participações na Copa Libertadores - 38 no total -, o Peñarol é o terceiro maior vencedor do torneio, com cinco conquistas no currículo. A equipe aurinegra fica atrás apenas dos argentinos Independiente e Boca Juniors, que têm sete e seis títulos, respectivamente.

Em busca do hexacampeonato, o time uruguaio aposta em um dado curioso para enfrentar o Santos e sair do Pacaembu vitorioso. Todas os seus títulos conquistados foram decididos longe de seus torcedores.

Entre para a Torcida Virtual do seu time e convide os amigos

O Peñarol venceu as duas primeiras edições da Libertadores, em 1960 e 1961. Em 60, os uruguaios bateram o Olímpia, do Paraguai, por 1 a 0, em Montevidéu, e arrancaram um empate por 1 a 1 no final do jogo em Assunção. A segunda conquista foi sobre o Palmeiras , repetindo a performance do ano anterior. Vitória por 1 a 0 em casa e empate por 1 a 1 com os brasileiros, no Pacaembu.

Equipe do Peñarol campeã em 1966
Reprodução/El Grafico
Equipe do Peñarol campeã em 1966
O tricampeonato veio em 1966, após três partidas tensas contra o River Plate. No primeiro duelo, o Peñarol superou a equipe argentina por 2 a 0 no estádio Centenário de Montevidéu, e foi derrotada por 3 a 2 no Monumental de Nuñez, em Buenos Aires. O jogo desempate aconteceu no estádio Nacional de Santiago, no Chile, e terminou com vitória uruguaia por 4 a 2.

Em 1982, na decisão do tetra, o Peñarol empatou em casa com o Cobreloa, 0 a 0, mas conseguiu vencer os chilenos na segunda partida, em Santiago, por 1 a 0. O último título veio em 87, contra o América de Cali. A exemplo de 66, a decisão também aconteceu em três partidas. Na primeira, derrota na Colômbia por 2 a 0. Depois, em casa, triunfo por 2 a 1. O terceiro jogo foi disputado em Santiago, no Chile, e terminou 1 a 0 para o time uruguaio, com gol no último minuto do 2º tempo da prorrogação.

Os números em decisões fora de casa favorecem o Peñarol, mas a equipe também tem deslizes em finais longe de Montevidéu. No ano de 1962, contra o Santos, o time perdeu em casa por 1 a 0, mas venceu na Vila Belmiro por 3 a 2, levando a disputa, de novo, para o duelo de desempate. Em Buenos Aires, triunfo santista por 3 a 0.

Decisão contra o Santos é a 10ª do Peñarol
Gazeta Press
Decisão contra o Santos é a 10ª do Peñarol
Em 1965, a história se repetiu. O Peñarol perdeu para o Independiente, em Buenos Aires, por 1 a 0, depois venceu o rival por 3 a 1, em Montevidéu, mas voltou a ser derrotado pelos argentinos: 4 a 1, em Santiago, no Chile. Já no ano de 83, outro brasileiro cruzou o caminho dos uruguaios e se deu melhor. Após empate de 1 a 1 em Montevidéu, o Grêmio fez 2 a 1 no estádio Olímpico, em Porto Alegre, e foi campeão.

Das nove finais que o Peñarol já disputou, em apenas uma delas a equipe foi derrotada em seu estádio. No ano de 1970, o time perdeu para o Estudiantes por 1 a 0, em Buenos Aires, e não conseguiu marcar no jogo da volta, em casa. O empate sem gols favoreceu a equipe argentina.

O duelo contra o Santos na noite de quarta-feira será a 10ª final que a equipe uruguaia vai disputar. O jogo no estádio do Pacaembu está marcado para 21h50 (de Brasília). Quem vencer, leva a taça para casa. Em caso de empate, a decisão vai para os pênaltis.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.