Time ironizou o acordo, prometeu brigar para participar da negociação e cogita até acionar a Fifa

A diretoria do Peñarol não ficou satisfeita em ouvir as notícias divulgadas pelo Palmeiras de que há um pré-contrato assinado com o meia-atacante Alejandro Martinuccio, um dos destaques da edição 2011 da Copa Libertadores da América. Em entrevista exclusiva, o vice-presidente do clube uruguaio, Edgar Welker, foi duro nesta quarta-feira nas declarações contra o Palmeiras e ameaçou até entrar com uma ação na Fifa para resolver o caso.

"Para nós, é uma grande surpresa essa notícia do pré-contrato do Martinuccio com o Palmeiras. Não fomos informados de nada", comentou o dirigente, que foi além. "Se for confirmada a informação (do vínculo), pretendemos entrar com um pedido na Federação Internacional de Futebol (Fifa) para análise do caso", emendou.

Martinuccio é aguardado pelo Palmeiras no início do mês de agosto para iniciar os treinos na Academia de Futebol - até o técnico Luiz Felipe Scolari demonstra otimismo na chegada do reforço. O Palmeiras realizou a negociação diretamente com o grupo de empresários que detém os direitos federativos do jogador.

Em contrapartida, a direção do Peñarol alega que tem a prioridade na compra de Martinuccio. Portanto, a ideia da agremiação uruguaia é contratar o atleta em definitivo e repassá-lo com lucros ao futebol do exterior.

"Na segunda-feira, o Martinuccio vai se apresentar ao Peñarol e então pretendemos ter uma reunião junto com o seu representante. A única proposta concreta que recebemos até o momento é do Catania, da Itália", justificou Edgar Welker.

Por fim, o representante do Peñarol ataca a postura palmeirense nas negociações de aquisição de Martinuccio, justamente no dia em que Luiz Felipe Scolari voltou a criticar o assédio do Flamengo contra o atacante Kleber. "Está havendo falta de ética por parte do Palmeiras", reclamou Edgar Welker.

O Peñarol ainda cogita usar a legislação local, que faz o atleta ficar com seus direitos federativos preso ao clube mesmo após o término do contrato. Contra isso, o jogador poderia apelar na Fifa para que sua transferência seja feita. O detalhe é que a insituição máxima do futebol, como ressaltou Welker, pode condenar o Palmeiras, já que os uruguaios alegam que têm o direito de igualar qualquer proposta pelos 20% que não lhe pertencem.

* Com informações do iG São Paulo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.