Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Pelo Twitter, Jobson confirma gesto contra torcedor do Avaí

Atacante comentou sobre a provocação sofrida na saída do estádio da Ressacada, após o empate de 0 a 0 com o Avaí

Renan Rodrigues, iG Rio de Janeiro |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237861601325&_c_=MiGComponente_C

Blindado pela diretoria do Botafogo, o atacante Jobson raramente conversa com a imprensa. Mas na noite da última segunda-feira, o atacante desabafou sobre a nova polêmica em que se envolveu. Após o empate de 0 a 0 com o Avaí, o ônibus da equipe carioca ficou preso em um engarrafamento e foi cercado por torcedores. O atacante foi xingado e respondeu supostamente mostrando as partes íntimas. Pelo Twitter, Jobson afirmou que apenas respondeu aos xingamentos e que não conseguiu se controlar.

"O cara tá errado. Fez gesto me provocando e eu também fiz para ele. Ele quer ir registrar ocorrência pô. Que brincalhão", postou o atacante por volta das 23h desta segunda. Alguns minutos depois, o jogador respondeu a torcedores que criticavam a nova polêmica. "Eu acho que sou ser humano cara. As pessoas me 'zuaram' e eu também tenho resposta e tenho minha defesa", disse o atacante, que não deve receber nenhuma punição da diretoria. 

Ofendido com a situação, um dos presentes na confusão na saída do ônibus do Botafogo registrou boletim de ocorrência na 1ª Delegacia de Policia da Capital. O diretor de futebol do Botafogo, Anderson Barros, foi chamado para prestar maiores esclarecimentos. Jobson ainda deve ser chamado para dar sua versão do caso às autoridades do Rio de Janeiro. Ele pode ser denunciado com base no artigo 233 do Código Penal Brasileiro (ato obsceno), que prevê de três meses a um ano de pena.

O histórico de problemas do jogador começou no final de 2009, quando ele foi pego no exame antidoping e acabou suspenso pelo uso de crack. Ele voltou nesta temporada, teve problemas no duelo contra o Palmeiras, no Pacaembu. Por considerá-lo grande promessa, a diretoria se mantém atenta para que o atleta não volte a usar drogas. Porém, pessoas de dentro do clube já não sabem se o atacante segue na equipe em 2011.

Com contrato até 2015, Jobson também estaria irritado com os boatos sobre sua vida pessoal e a constante vigilância da diretoria do Botafogo. Recentemente, o psiquiatra Jorge Jaber, que acompanhava o jogador, deixou o caso. Porém, um dos principais defensores da permanência do atacante é o presidente Maurício Assumpção, um dos responsáveis pela volta do jogador ao Botafogo.

Leia tudo sobre: botafogocampeonato brasileiro

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG