Escolhido pela presidente Dilma, "Rei" diz que ainda precisa conversar com Orlando Silva sobre seu papel

Nomeado Embaixador Honorário para a Copa do Mundo de 2014, Pelé se enrolou para explicar quais serão suas funções no governo, em entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira, no Rio de Janeiro. Acompanhado do ministro dos Esportes, Orlando Silva, o "Rei do Futebol" declarou que ainda irá definir em que área irá trabalhar, mas se mostrou empolgado.

“Ainda vamos conversar. O ministro (Orlando Silva) está vendo como vamos poder trabalhar juntos. Estou à disposição do governo, mas no momento ainda não foi definido o que vou fazer”, disse Pelé, que depois brincou com o ministro. “O senhor é meu chefe, o senhor quem decide”, declarou, arrancando risos dos jornalistas internacionais.

Segundo Orlando Silva, Pelé será uma espécie de conselheiro para assuntos da Copa. Além de representar o país em eventos, ele será ouvido sobre a imagem do Brasil no resto do mundo.

Veja também: Sorteio do Rio define as eliminatórias. Veja os "potes"

“O Pelé nos ajudará com a experiência de quem viu tantas Copas do Mundo. Será um conselheiro, consultor, que possa ajudar a orientar o Brasil. Por outro lado, a presidente Dilma quer que a cara do Brasil seja o Pelé, pela identificação dele com o esporte, pelo símbolo de determinação que ele representa. Vai depender da agenda dele para participações sociais, alguém que pode dialogar com a Fifa, movimentos internacionais e outros órgãos”, disse Orlando Silva.

Pelé vai ter de conciliar sua ocupada agenda com eventos da Copa
AE
Pelé vai ter de conciliar sua ocupada agenda com eventos da Copa

A escolha de Pelé se deu por uma vontade da presidente Dilma Rousseff de ter um interlocutor maior do governo na organização da Copa, imagem que atualmente é vinculada principalmente ao presidente do Comitê Organizador Local (COL), Ricardo Teixeira. O próprio ministro Orlando Silva declarou que além do COL, o governo federal tem representantes para assuntos relacionados ao evento da Fifa, em uma divisão de tarefas.

“A definição da composição do Comitê Organizador Local foi uma definição da Fifa. Hoje mesmo, em um encontro, o Blatter (presidente da Fifa) disse que seria adequado que o presidente da CBF fosse do comitê. Já o governo estruturou um comitê próprio, que trata de temas públicos. Estrutura, serviços, temas essenciais têm um comitê próprio. Portando, o que há é uma divisão de tarefas”, disse o ministro do Esporte.

Pelé acredita que a experiência adquirida na participação do comitê organizador da Copa do Mundo de 2002, no Japão e Coréia do Sul, e de 1994, nos Estados Unidos, poderá ser usada na preparação para 2014.

“Tive a felicidade de trabalhar no comitê japonês, em 2002, que era uma coisa inédita, nunca tinha sido feito um evento de Copa em dois países. Outra Copa do Mundo que trabalhei foi com os EUA, onde até hoje vejo como a melhor organizada e que mais rendeu para a Fifa e Estados Unidos. Infelizmente de vez em quando algumas coisas não saem muito bem e ai começa um trabalho contra, acho que todos nós devemos trabalhar juntos. Confiaram na gente, nós ganhamos, então temos que fazer uma boa administração”, finalizou Pelé.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.