Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Pelé é citado por presidente do Vasco em evento sobre racismo

Clube lança camisa retratando igualdade social e exalta feito de abrir as portas do futebol para o negro

Hilton Mattos, iG Rio de Janeiro |

Em um evento na manhã desta quinta-feira, na sede náutica da Lagoa Rodrigo de Freitas, o Vasco lançou o seu terceiro uniforme. Em homenagem aos Camisas Negras, o modelo, em tom preto, retrata os heróis de 1923, que lutaram pela igualdade social, num período em que o clube foi desfiliado da liga profissional de futebol por aceitar atletas negros . A luta contra o racismo abriu portas para craques dentro e fora do clube. Entre eles, Pelé - motivo de orgulho dos vascaínos. Participaram do evento, o goleiro Fernando Prass, o zagueiro Dedé e o meia Bernardo. A estreia da nova camisa será contra o Bangu, dia 3 de abril, em São Januário, pela sexta rodada da Taça Rio Rio.

Na centenária história do clube marca o pioneirismo na democratização no esporte. Ao assumir a presença de 12 negros no futebol nos anos 20, os clubes da elite do Rio romperam com o Vasco. O preconceito, porém, trouxe um grande legado, não apenas o clube de São Januário, mas para o futebol brasileiro. E - por que não? - para o futebol mundial. O presidente Roberto Dinamite citou o Atleta do Spéculo ao lembrar a coragem vascaína no começo do século passado.

Divulgação
O presidente do Vasco, Roberto Dinamite, enalteceu a coragem do Vasco em combater o racismo

“O Vasco fez a diferença no esporte. Abrimos porta para o Pelé. O Pelé é negro. O que seria o futebol sem o Pelé? É importante que todos reconheçam o valor do Vasco, a sua coragem. O Vasco está na história do futebol mundial”, disse o presidente. Na sequência, o sociólogo Maurício Mudar, vascaíno assumido, ilustrou o comentário de Dinamite lembrando a simpatia do Pelé pelo clube de São Januário.

“Pelé, presidente, era Vasco. Na infância, ele tinha o Vasco no coração”, completou Murad. A versão não é oficial. Sempre se ouviu dizer que em Três Corações, o menino Edson Arantes do Nascimento torcia pelo Vasco, mas tal informação jamais foi confirmada pelo ex-jogador.

O tema racismo teve tanto ou mais apelo do que o simples lançamento de mais um uniforme. Tanto que o evento foi celebrado por uma mesa de pesquisadores em um debate chamado Racismo Negro.

A camisa toda negra, em gola “V”, traz a cruz de malta no peito (logo abaixo da gola), a marca no fornecedor de material esportivo do lado direito e um símbolo contra o racismo no lado esquerdo. A logomarca é a palma de uma mão, metade branca, metade negra.

Leia tudo sobre: vascocamisaRoberto Dinamite

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG