Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Pela primeira vez, Juan Figer faz parceria para gerenciar um clube brasileiro

Empresa da qual o megaempresário uruguaio é sócio passa a administrar o Londrina, no interior do Paraná, e quer fazer clube virar modelo para o futebol caipira

Altair Santos, especial para o iG |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237860178487&_c_=MiGComponente_C

Guarani, campeão brasileiro em 1978, e Juventude e Paulista de Jundiaí, campeões da Copa do Brasil, são os clubes do interior que alcançaram as mais relevantes conquistas nacionais. No rastro deste sucesso, o Londrina quer voltar a dar destaque ao futebol caipira. Para isso, o clube firmou recentemente parceria com ninguém menos do que o megaempresário Juan Figer. Pela primeira vez, o uruguaio, em conjunto com o também empresário Sérgio Malucelli, vai ser responsável pelo futebol de um clube brasileiro.

A meta é ambiciosa. Em dez anos, tempo de duração do contrato com a equipe paranaense, Figer e Malucelli, que são sócios na SM Sports, pretendem que o Londrina seja o mais importante clube do interior do país. Para atingir o objetivo, o trabalho será árduo. A dupla assume um clube em estado pré-falimentar, com penhora de seu patrimônio e repleto de dívidas trabalhistas. Tanto é que a parceria só foi possível porque a Justiça permitiu o desmembramento do futebol do Londrina de sua massa falida.

Figer e Malucelli, que há mais de um ano construíram um centro de treinamento na cidade do Norte do Paraná, vão colocar jogadores, montar a comissão técnica, bancar toda a estrutura do futebol e reverter parte do lucro que obtiverem com o sucesso do time em campo para o pagamento das dívidas do clube. O Londrina terá direito a 5% sobre a venda de cada jogador, além de 20% do que for arrecadado com rendas dos jogos e marketing.

Sérgio Malucelli, que já tem know how em gerenciar clubes - atualmente ele preside o Iraty, também do interior do Paraná -, avalia que até 2014 o Londrina possa estar na Série B do Campeonato Brasileiro. O objetivo é levar o clube à primeira divisão até o final do acordo, que termina em 2020, mas daqui a quatro anos a Série B já pode ser alcançada, avalia.

Atualmente, o Londrina disputa a segunda divisão do Campeonato Paranaense. A prioridade é subir o clube para a elite estadual em 2012 e, neste mesmo ano, disputar a série D do Brasileiro, para em 2013 estar na série C. 

O investimento inicial para a empreitada vai custar a Figer e Malucelli pelo menos R$ 5 milhões. A expectativa é de que a torcida ajude a pagar essa conta. Potencial há. Em 2009, quando disputou a Série D e foi eliminado na terceira fase, o clube encerrou sua participação com média de público de 6.188 pagantes.

Pela empolgação dos londrinenses, os empresários podem se animar. Até o maior ídolo da torcida, o ex-atacante Élber - revelado em 1991 e vendido em seguida para o Milan, apoia a parceria. Ou era isso ou acabava, comenta, com a disposição de ocupar cargo no novo Londrina.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG