Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Paulistas sonham com hegemonia em 2011

Na temporada de 2010, Corinthians, Palmeiras e São Paulo não conquistaram um torneio sequer

AE |

Há muito tempo que o futebol paulista não passa uma temporada sem erguer ao menos uma taça. Habitualmente, pelo menos dois dos grandes do Estado, Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos, soltam o grito de campeão. Em 2010, depois de um primoroso primeiro semestre dos santistas, as equipes paulistas decepcionaram. Mas a promessa é de um 2011 bem diferente. Todos estão sedentos por títulos e garantem brilhar na temporada que está por vir. Santos, após muito tempo, e Corinthians, pela primeira vez, falam em montar elencos fortes para conquistar a América, enquanto o São Paulo buscará o primeiro título da Copa do Brasil e o Palmeiras se empenha para voltar a dar uma volta olímpica.

Em 2008, o torcedor viu o Palmeiras levar o Estadual, o Corinthians ganhar a Série B e decidir a Copa do Brasil, além de o São Paulo festejar o hexacampeonato nacional. Agora, o sonho de dirigentes, jogadores e técnicos vai além. Todos esperam fazer de 2011 o ano dos paulistas, que nas duas últimas temporadas, por exemplo, perderam a hegemonia nacional após conquista de cinco Brasileiros seguidos.

OLHO NOS MENINOS - Único paulista a fazer festa na temporada, completa com a confirmação da unificação dos nacionais (agora é octocampeão), o Santos surge como grande time para 2011. Depois de ganhar a Copa do Brasil e o Paulista, espera voltar a encantar o País e agora o continente, com a recuperação de Ganso, a permanência de Neymar e o retorno de Elano, além da promessa de outras grandes contratações, para voltar a dominar a América. A busca do tricampeonato (ganhou em 62 e 63) começará no dia 15 de fevereiro, na Venezuela, diante do Táchira.

E o discurso de todos na Vila Belmiro é de confiança e ambição. "O Santos está montando um time muito forte. Já trouxe o Elano, o Charles e a ainda quer mais reforços para chegarmos com tudo já no começo do ano. A expectativa é de fazer um bom Paulista e, consequentemente, uma boa Libertadores, que é o sonho de todos", enfatiza o lateral-direito Pará, um dos atletas experientes do time, ao lado do próprio Elano. "A torcida pode esperar a mesma dedicação de 2010, ainda mais com a chegada dos novos reforços. A tendência é que o Santos conquiste mais títulos do que neste ano", prossegue.

Depois de trocar as libras do Chelsea para seguir no Santos, Neymar fala em um 2011 ainda mais festivo. "Espero que consigamos ganhar tudo. E, claro, a Libertadores, que será a competição mais importante de todas." Já o presidente Luiz ¿?lvaro de Oliveira Ribeiro, responsável por resgatar o orgulho e bom futebol dos santistas, tenta, em vão, conter o entusiasmo. "Há uma recuperação do amor próprio dos torcedores santistas. O Santos deixou de ser um personagem secundário nos campeonatos e assim será em 2011", afirma. "E, em relação à Libertadores, somos candidatos a ser um dos protagonistas", enfatiza.

CONTRA A MÁ IMPRESSÃO - Após frustrar seus torcedores no ano de seu centenário ao passar 2010 sem conquistas, o Corinthians espera dias melhores. A manutenção dos titulares - Elias saiu e William se aposentou - e a promessa de algumas contratações foi a fórmula encontrada por Andrés Sanchez para, enfim, o time voltar a gritar que "é campeão." A tarefa na Libertadores, seu sonho de consumo, contudo, será complicada. Começa no dia 26, em mata-mata com o Tolima, da Colômbia, decidindo vaga fora de casa.

"Acho que ano que vem podemos jogar melhor. Não só jogar, mas ganhar títulos e a Libertadores é o ponto mais importante", disse o lateral-esquerdo Roberto Carlos, também pensando em aposentadoria para dezembro de 2011. "Não quero terminar minha carreira sem título. Se for mesmo meu último ano, que seja com uns dois. E tem de ser o ano da Libertadores", afirma, garantindo, como Ronaldo, que o time passará pelo Tolima. "É um bom time, vi alguns jogos, tem qualidade, mas não é melhor do que o Corinthians. E o jogo do Pacaembu será o fator chave."

Outro experiente do grupo, o zagueiro Chicão também não tira a Libertadores da cabeça. "A expectativa é sempre a melhor possível de fazer uma boa campanha na Libertadores. Mas, antes, devemos passar pela fase preliminar. Queremos ganhar, um time grande não pode passar um ano sem títulos e essa é nossa prioridade", enfatiza. "A torcida pode esperar muita gana, determinação, empenho e vontade de ganhar títulos. É o que a torcida e nós jogadores queremos para 2011." Caso passe, o time entrará no perigoso Grupo 7, ao lado de Cruzeiro, Estudiantes, da Argentina, e Guarany, do Paraguai.

UM PEIXE FORA D’ÁGUA - Depois de sete anos seguidos disputando a Libertadores - ganhou o tri em 2005 - o São Paulo não conseguiu vaga para a sua competição predileta. Voltar a disputá-la em 2012 já virou a principal meta para o próximo ano. E, de preferência, com a conquista da Copa do Brasil, taça que ainda não tem e da qual chegou perto em 2000, ao perder a final do Cruzeiro. "Na verdade, o principal objetivo do São Paulo em 2010 era a Libertadores, mas infelizmente não conseguimos vencê-la", diz o volante Rodrigo Souto. "A meta, agora, é garantir a vaga o mais rápido possível. Na Copa do Brasil temos de entrar firme, para vencer. Além de ser o título que o clube e a torcida ainda não têm."

O São Paulo também terá chances na Copa Sul-Americana e no Brasileiro, no segundo semestre. "Em 2011, a torcida pode esperar um São Paulo na luta por títulos. Passamos este ano em branco, mas para o próximo vamos firme em busca de conquistas para a torcida, que sempre caminha ao lado do time."

O time, contudo, não deve ganhar nomes importantes e, bem diferente de 2010, quando contratou 12 jogadores, deve trazer poucas peças: um zagueiro, um lateral, um meia e um atacante são as exigências do técnico Paulo César Carpegiani. "A Copa do Brasil todo mundo joga para ganhar e a Sul-Americana também, pois são torneios que dão vaga na Libertadores. Eu valorizo todo o campeonato que vou disputar. Vamos entrar com o que temos de melhor", diz Carpegiani, ao site oficial do clube. "O São Paulo é uma equipe grande e sempre entra como favorito nas competições. Todos nós queríamos estar na Libertadores, mas tropeçamos. Agora temos de buscar coisas boas na Copa do Brasil e na Sul-Americana."

ESPERANÇA VERDE - Após decepcionante 2010, o Palmeiras tenta resgatar sua história vencedora e mostrar que não recebeu a alcunha de Academia por acaso. Para isso, buscará a todo custo por conquistas, a começar pelo Paulista e a Copa do Brasil. "Ganhar o Paulista é muito bom. E tomara que a gente ganhe. Para alguns é o mínimo, então vamos começar pelo mínimo, está ótimo", falou o técnico Luiz Felipe Scolari, à Rádio Bandeirantes.

Ídolo e um dos grandes nomes do Palmeiras, o goleiro Marcos, já pensando na aposentadoria, gostaria de findar a carreira com a volta dos títulos. "Foi um ano decepcionante, estamos cientes disso, mas sempre tem o próximo e vem a esperança. Que 2011 seja cheio de esperança e vamos tentar levar o Palmeiras ao lugar que ele merece", diz ao site do clube. Da conquista da Libertadores, em 99, para cá, o clube só festejou a Série B em 2003 e o Paulista de 2008. Pouco para um octocampeão nacional.

"É claro que a gente fica triste, mas as decepções infelizmente fazem parte do futebol. No ano que vem a gente pode mudar essa história. O Palmeiras é muito grande, time de muita história, que tem uma torcida maravilhosa. Vamos levantar a cabeça e batalhar para ser melhor", espera, confiante. Na próxima temporada ele retorna ao gol, após superar as lesões, no lugar de Deola.

"Vamos entrar o ano com o pé direito e partir para conquistas, que é o que o torcedor merece", divaga o vice-presidente Salvador Hugo Palaia, contagiado com os oito títulos nacionais.

Leia tudo sobre: CorinthiansPalmeirasSão Paulo

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG