Tamanho do texto

Volante minimiza assédio do Milan e bicho gordo de rival para não atrapalhar arrancada ao título

Paulinho não quer pensar em
AE
Paulinho não quer pensar em "bicho" e só quer o título
O volante Paulinho, do Corinthians , foi sondado pelo Milan e pode deixar o clube ao final do Campeonato Brasileiro. A oferta beira os R$ 24 milhões . Perto do título nacional, o jogador tenta esquecer o futuro, os euros que pode ganhar e também as provocações do rival Palmeiras, que oferece uma grande recompensa para seus jogadores caso eles tirem a taça do Parque São Jorge.

Leia também: Bom momento de ex-coadjuvantes afasta medalhões do Corinthians

"O que está em jogo é o título brasileiro. Não é hora para pensar em dinheiro, em negociação, em bicho", disse o jogador, após a coletiva de imprensa que concedeu no CT do Parque Ecológico, nesta quarta-feira. O Corinthians pode ser campeão no domingo, contra o Figueirense, em Florianópolis .

Perguntado se o presidente Andrés Sanchez poderia aumentar a premiação para a equipe não deixar escapar o título para o rival no Pacaembu, Paulinho comenta que . "Independentemente do dinheiro, estamos em busca de ser campeões brasileiros. Isso (de bicho) deixa para o Andrés, nós estamos focados em conseguir o título", disse. "Não há nada mais importante e que dê mais prazer para um jogador do que ser campeão", disse o jogador.

Paulinho evita falar da negociação com o Milan, que enviou um representante para observá-lo nos últimos jogos e diz que até pode fazer um esforço para continuar no clube por mais tempo. "Eu acho que há muita especulação, dizem que estou indo embora, estou de malas prontas, que são milhões de propostas, não tem nada. Estou focado, quero ser campeão brasileiro, ainda mais no Corinthians. Minha cabeça totalmente no Corinthians", disse. "(Jogar na Europa) é um sonho de todos, mas tem a hora certa de fazer isso na carreira", disse o jogador.

Com contrato até junho de 2013 com o Corinthians, Paulinho tem seus direitos econômicos divididos em três: 45% são do Banco BMG, 45% do Grupo Pão de Açúcar e 10% do Corinthians.  "Eu faria um esforço para ficar. O Corinthians é um time grande, que dá todas condições de trabalho", disse o jogador, ciente que o clube paulista pouco pode fazer caso uma proposta oficial chegue após o encerramento do Brasileirão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.