Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Paraná busca microinvestidores para ter R$ 3 milhões em 2011

Ideia do presidente Aquilino Romani é montar um grupo de apoio, formado por 10 conselheiros, a fim de capitalizar o futebol do clube para a próxima temporada

Altair Santos, iG Curitiba |

Para não repetir o que ocorreu neste ano, o Paraná pretende ter em 2011 uma receita exclusiva para o futebol. O objetivo é não precisar atrasar salários e nem recorrer a papagaios bancários para cobrir a folha de pagamento. Os recursos necessários para conseguir cumprir todo o calendário do ano que vem parte de R$ 3 milhões. Por isso, o presidente Aquilino Romani tem a ideia de atrair microinvestidores, numa espécie de G10. Ser cada um contribuir com R$ 300 mil, já teremos recursos para sustentar a folha de pagamento o ano todo, calcula o dirigente.

A intenção é de que o dinheiro dos investidores só possa ser resgatado em cinco anos. Esse é o prazo que Aquilino estima para que o Paraná Clube consiga pôr ordem em suas finanças. O dirigente também pretende propor uma reforma estatutária, para que o futebol possa ter uma gestão mais profissional. Hoje, o futebol acaba centralizando as reuniões do conselho deliberativo, e cada um quer dar uma sugestão. O ideal é que o departamento de futebol possa tomar decisões com mais independência, avalia.

Caso o Paraná consiga formar o G10, será a terceira tentativa do clube de capitalizar seu departamento de futebol com recursos externos. A primeira delas foi através das parcerias com empresários. O clube até colheu bons frutos entre 2005 e 2007, mas decidiu alterar a modalidade para atrair recursos e montou um grupo de investidores. Vários conselheiros se cotizavam para comprar direitos de jogadores, mas como os atletas não trouxeram o retorno esperado até hoje o clube deve a quem investiu.

No caso do G10, a filosofia é mais modesta: a meta é dar sustentatibilidade financeira para que o clube consiga manter o elenco na temporada 2011. Estamos estudando essa possibilidade. Caso não seja aceita, vamos buscar outras alternativas, garante Aquilino Romani.

Leia tudo sobre: futebolparaná

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG