Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Para diretor de finanças, Corinthians pode bancar contratação de Adriano

Raul Corrêa diz que se comissão técnica aprovar chegada do Imperador clube consegue pagá-lo sem aumentar despesas

Bruno Winckler, iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237881959900&_c_=MiGComponente_C

A contratação de Adriano pelo Corinthians sob o ponto de vista do diretor financeiro do clube Raul Corrêa é possível. Antes, porém, o diretor diz que o corpo técnico e do departamento de futebol terão de dar o aval pela contratação. Com o "sim" do técnico Tite e do diretor de futebol Mário Gobbi, o clube conseguiria trazer Adriano sem aumentar suas dívidas de forma significativa. Claro, desde que Adriano consiga se desvencilhar da Roma sem que o Corinthians tenha de pagar sua multa rescisória de R$ 69 milhões. O contrato de Adriano com o clube italiano vale até 2013.

O Adriano é o tipo de jogador que pode atrair para o clube receita suficientes para não se aumentar as despesas de forma tão preocupante, disse Corrêa, no aeroporto de Goiânia, pouco antes de embarcar para São Paulo. O diretor financeiro acredita que, mesmo sem o apelo publicitário de Ronaldo, é possível manter os valores que o clube arrecada com patrocínio e potencializar esses acordos com a chegada de Adriano.

O Corinthians, só de patrocínio de camisa, faturou mais de R$ 50 milhões em 2010. Com Adriano no time, mesmo com os gastos mensais de salário (o atacante recebe R$ 400 mil na Roma) o clube teria mais poder de barganha para exigir valores mais altos nas negociações de patrocínio para o ano que vem.

No balanço financeiro divulgado pelo clube no final de outubro o clube aumentou em R$ 26 milhões seu endividamento em relação a 2009 com possibilidade aumento desse valor até o final do ano. A dívida aumentou,mas contratamos atletas, montamos o CT. Foram investimentos e vamos ter um retorno a curto e médio prazo, não foi dinheiro perdido, disse Corrêa.

A venda de Elias para o Atlético de Madri, por exemplo, se enquadra no conceito de investimento feito pelo clube. O jogador que chegou ao clube em 2008 por um acordo com parceiros deixa o Parque São Jorge com saldo positivo o que dará ao clube uma sobrevida financeira no final do ano. O valor estimado da negociação gira em torno de R$ 15 milhões.

Adriano seria mais um investimento de acordo com Corrêa, que prefere não mensurar a possibilidade de o atacante ser anunciado como reforço do clube, mesmo admitindo que sabe mais do que pode falar. Eu sou diretor de finanças, não sou da peteca. Com todo respeito ao pessoal da peteca. Claro que eu sei de mais coisas, mas como tudo que acontece no Corinthians há três anos o que é divulgado precisa antes ser avaliado pela presidência. Se for bom a gente fala, argumentou.

Durante a estada em Goiânia o presidente Andrés Sanchez evitou se aprofundar no assunto Adriano. Voltou a falar que se Ronaldo fizer os cheques para bancar a contratação do amigo o Corinthians o recebe de braços abertos e provocou o Palmeiras, que também cogita a possibilidade de contar com Adriano. Eles não fizeram proposta para o Adriano? Então o Adriano que aceite e vá jogar no time deles. Mas eu acho que eles têm mais com que se preocupar.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG