Tamanho do texto

Diretor de seleções não acredita que dirigente renunciará à presidência da entidade que controla há 23 anos

O ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, durante desfile da Gaviões da Fiel
Gazeta Press
O ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, durante desfile da Gaviões da Fiel
Apesar da expectativa em relação ao retorno de Ricardo Teixeira ao comando da CBF após passar o Carnaval nos Estados Unidos , o recém-empossado diretor de seleções não tem dúvidas de que a entidade seguirá presidida pelo mesmo dirigente que ocupa o cargo há 23 anos. Andrés Sanchez faz até graça.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Quando [Ricardo Teixeira deixará a presidência da CBF]? Quando o sargento Garcia prender o Zorro", disse o ex-presidente do Corinthians ao jornal Folha de São Paulo , lembrando do herói mascarado que nunca acaba detido pelo personagem que o persegue.

Leia mais:  Apesar de rumores, Ricardo Teixeira diz que fica na CBF

Rumores se intensificaram em relação a uma renúncia de Ricardo Teixeira por conta de acusações de irregularidades fiscais. Pressionado depois de seguidas reuniões na sede da CBF na semana passada , o dirigente optou por seguir para Miami e a entidade divulgou nota na qual garantia sua volta ao comando após o feriado .

Leia também:  Pressionado, Ricardo Teixeira viaja para Miami

Um dos dirigentes mais próximos a Ricardo Teixeira, Andrés Sanchez assumiu o cargo de diretor de seleções logo depois de deixar a presidência do Corinthians e reforça seu apoio ao mandatário. Evitou entrevistas enquanto o presidente estava em reunião na CBF e, quando falou, foi com seu tom irônico para defender Teixeira.

Acompanhe:  Del Nero diz que renuncia de Teixeira é boato e enxerga “golpe”

Cotado para a presidência da entidade a partir de 2015, quando acaba o atual mandato de Ricardo Teixeira, Andrés Sanchez sempre repete que nunca trabalhou pensando em ser presidente da CBF. Mas ele, responsável por fortalecer Teixeira com o enfraquecimento do Clube dos 13 em 2011, frequentemente reforça: "também nunca trabalhei para ser diretor de seleções".