Tamanho do texto

Advogados do clube entraram com ação para tentar minimizar as consequências do vandalismo praticado por torcedores no clássico contra o Corinthians

Punido com a perda de dois mandos de campo no Campeonato Brasileiro na última semana, o Palmeiras entrou com pedido de novo julgamento no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Nesta sexta-feira, os advogados do clube entraram com ação para tentar minimizar as consequências do vandalismo praticado por torcedores no tobogã do Pacaembu durante clássico com o Corinthians.

Condenado a jogar a 100 km de São Paulo na reta final do nacional, o clube já firmou parceria com a prefeitura de Araraquara, recebendo uma série de regalias para atuar na Fonte Luminosa. No entanto, a expectativa é reverter a pena, que inclui pagamento de multa de R$ 10 mil. A punição veio por conta do arremesso de objetos por cima do tobogã após derrota para o Corinthians - veículos de imprensa chegaram a ser danificados.

A defesa do Palmeiras alega que o Corinthians, mandante na ocasião, recebeu pena menor (perda de um mando de campo), mesmo sendo o responsável por prevenir tais problemas. Além disso, ressalta que os objetos não foram atirados para dentro de campo, como descrito na denúncia da Procuradoria do STJD, e que se trata de um episódio isolado, devidamente controlado pela polícia.

O STJD ainda não se pronunciou sobre o caso. Não há data para um novo julgamento. Mesmo se o clube conseguir escapar da punição, não deverá atuar no Pacaembu. Isso porque um acordo com a prefeitura de Barueri garante vantagens para que o clube mande seus confrontos na Arena Barueri, na Grande São Paulo, localizada a cerca de 50 km de São Paulo.