Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Palmeiras planeja despedida "superespecial" para Marcos

Pego de surpresa, Sampaio avisa que no meio do ano um jogo especial marcará o adeus do camisa 12

Danilo Lavieri, iG São Paulo |

Foram 530 jogos, 671 gols sofridos e, para o azar dele, nenhum marcado. Marcos Roberto Silveira Reis, mais conhecido como São Marcos, decidiu parar nesta tarde. A frase, foi no seu melhor estilo: “Pô, Sampaio, f..., vou ter que parar”. César Sampaio, gerente de futebol, sabe que a ocasião merece uma festa de gala. Logo após conversar com a imprensa, o ex-volante afirmou que já pensou em várias ocasiões para que o ex-camisa 12 dê o seu adeus.

Leia também: Palmeiras anuncia a aposentadoria de Marcos

Para Sampaio – e provavelmente para toda a torcida palmeirense, - o jogo contra o Ajax, neste dia 14, é muito pequeno para um dos maiores ídolos, talvez o maior, se despedir da camisa palmeirense, a qual defende desde 1992. Foram 20 anos de alegrias como a Libertadores de 1999 e tristezas como as falhas do mesmo ano diante do Manchester United na final do Mundial ou então o rebaixamento em 2002, ano que ele ainda seria campeão da Copa do Mundo.

“Eu só sei que ele vai ter agora os dois meses de férias. Depois, a gente vai pensar um jogo legal para ele no meio do ano. Pensei no time dos anos 1990, de 1993 e 1994 (bicampeão Brasileiro), de 1999 (campeão da Libertadores) não sei. Eu vou estourar o joelho, mas esse jogo eu tenho que jogar também”, brincou Sampaio.

Veja a transformação física de Marcos ao longo da carreira:

null

Marcos deixa, agora, o clube sem um ídolo que não seja contestado. Desde o “não” para o Arsenal, em 2002, ele foi o único poupado pela torcida. Mesmo que engolisse um frango, a torcida o apoiava. De lá para cá, vários ídolos surgiram e foram queimados rapidamente, como é o caso de Vagner Love e Kleber Gladiador. Outros, estão em processo de fritura, como Luiz Felipe Scolari e Valdivia, xingados ainda nesta quarta-feira, antes de todos saberem que Marcos estava dizendo adeus.

Marcos está no Palmeiras desde 1992, após ter desistido de atuar no Corinthians e de sofrer na base, no interior de São Paulo, em Lençóis Paulista. O goleiro viveu momentos de dormir no Centro de Treinamento, voltar para casa do ex-goleiro Sérgio a pé e de dormir de favor na casa dos colegas até a glória, que estourou, mesmo, em 1999, após jogos que o consagraram como o melhor da Libertadores de 1999. A torcida palmeirense, eternamente, lembrará da narração de José Silvério, que na época estava na Jovem Pan. “Toma distância Marcelinho para a cobrança”.

Leia tudo sobre: marcospalmeirascésar sampaio

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG