Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Palmeiras é o único grande de SP que está longe de anunciar reforços

Ronaldinho Gaúcho, que está longe de acerto, é o jogador que mais mexe com os sonhos dos dirigentes

Danilo Lavieri, iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237882764498&_c_=MiGComponente_C

O Santos já contratou Elano. O Corinthians está bem perto de contar com Marcinho e sonha com Adriano. O São Paulo já até acertou salários com Juan. Enquanto isso, o Palmeiras segue sem nenhuma novidade que possa mudar o ânimo do torcedor que terminou 2010 para lá de cabisbaixo. A expectativa fica por conta de Ronaldinho Gaúcho. O departamento de marketing já fala em arquitetura para trazer o meia, mas o fim da novela ainda parece distante.

O clube do Palestra Itália, aliás, tem sofrido bastante para chegar perto de fechar com algum jogador. Jóbson, que chegou a ser sonho, deve acertar com o Atlético-MG. Maikon Leite, alvo antes mesmo da temporada acabar, ficará no Santos. Chico, do Atlético-PR, sofre para conseguir, mas tenta acertar sua saída para o futebol espanhol. Além disso, o time também faz leilão para contar com Adriano.

Felipão comentou por meio de nota oficial sobre as dificuldades de fechar um nome e disse que tem ido exaustivamente à Academia para tentar ajudar o diretor de futebol, Wlademir Pescarmona, e o gerente de futebol, Galeano.

"É um período difícil de contratações, mas estou com tempo disponível, organizei minha vida nesta semana e estou vindo para ajudar o Galeano, o Pescarmona. Estamos discutindo a situação que envolve alguns jogadores, recebendo a visita de algumas pessoas para que possamos discutir nomes e possibilidades. Isso faz parte do meu trabalho. Estou em São Paulo gozando das minhas férias e um treinador precisa estar sempre envolvido nesses tipos de situações", disse Felipão, que ainda lembrou que o time busca parcerias para viabilizar os reforços.

"A questão não é só de dificuldade, a questão é dos clubes nos primeiros contatos solicitarem valores, e não trocas. Neste momento, os valores para nós do Palmeiras são um pouco mais difíceis. Precisamos de mais alguns investimentos e equilibrar nossa situação financeira. Não adianta só ter nomes que interessam, mas também ter valores acessíveis para isso. Mas é uma dificuldade grande não apenas para nós, mas para todos os clubes brasileiros", completou.

Enquanto o time não consegue contratar, outros jogadores viram alvos de rivais. O Internacional, por exemplo, quer contar com o futebol de Edinho. para isso, chegou a oferecer Marcelo Cordeiro e Danny Morais. Nomes que não animaram Felipão, que, aliás, é irônico ao comentar o assunto.

"O Inter falou em troca com o nosso volante Edinho. Tudo bem, podemos até pensar, mas primeiro pensaríamos num valor financeiro. Agora, se querem realmente trocar, então a gente pode pensar em D'Alessandro, Kléber, Guiñazu, Giuliano...Nós também podemos pensar em fazer uma troca com esses jogadores. Quando nós queremos, nós temos de pagar. Quando os outros querem, os outros também vão ter que pagar. Se não for assim, cada um fica com o seu e faz o seu melhor. Os jogadores que o Inter não deseja e nos oferece, nós também não desejamos", afirmou.

Danilo, Ewerthon e Tadeu são nomes que também receberam ofertas e podem sair a qualquer momento. A diretoria quer se livrar de salários altos e de alguns jogadores que não são considerados essenciais por Felipão. Lincoln é outro nome dessa lista. Isso sem contar nove emprestados que dificilmente ficam no clube.

Leia tudo sobre: futebolpalmeiras

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG