Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Palmeiras admite erros em gestão, mas classifica parte das acusações de Mustafá como mentirosas

Fabio Raiola afirma que ex-presidente aumentou tamanho da dívida e mentiu sobre adiantamento de contratos

Danilo Lavieri, iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237882228903&_c_=MiGComponente_C

Fabio Raiola, assessor especial da presidência do Palmeiras, rebateu nesta terça-feira as acusações feitas pelo ex-presidente do clube, Mustafá Contursi, feitas na última segunda-feira à rádio "Globo", quando ele afirmou que o clube possuí uma dívida de R$ 145 milhões.

Raiola reconhece que alguns erros foram cometidos nos últimos dois anos, mas diz que as criticas feitas recentemente pelo ex-presidente não são integralmente verdadeiras.    

O primeiro desmentido fica por conta do adiantamento de contratos com a Fiat e com a FPF (Federação Paulista de Futebol). Mustafá afirmou que o Palmeiras comprometeu cinco anos de contrato com a federação e valores a receber da parceira de marketing para pagar dívidas.

"O nosso contrato com a Fiat, ao contrario do que ele falou, vai até 2011. Nem tem como a gente adiantar valores de 2012. Além disso, assim como as cotas da FPF, a gente só usou como garantia para fazer empréstimos bancários. Como estamos na reta final da eleição, vamos ouvir ele tumultuar bastante", explica Raiola.

Outra mudança em relação às críticas de Mustafá é o tamanho da dívida. Raiola admite problemas com o caixa, mas diz que os mais de R$ 140 milhões divulgados pelo conselheiro da oposição são mentirosos. 

"Claro que a gestão teve alguns problemas, alguns gastos exagerados com futebol, não foi perfeita. Mas o número divulgado por ele é bem maior do que a verdade", completou Raiola, sem admitir o tamanho da dívida.

Até pelos resultados decepcionantes no futebol e pelos problemas na gestão, Raiola admite que Arnaldo Tirone fica como o favorito na eleição de janeiro.

"O Tirone é favorito enquanto não definirmos a união na situação. Depois de unirmos a situação, a eleição vai ser difícil de qualquer jeito, mas vai ser mais fácil para nós. Depois de tudo isso, eu só penso em querer o melhor para o Palmeiras", finalizou Raiola, que, pelo menos a principio, apoiará Salvador Hugo Palaia nas eleições.

Leia tudo sobre: futebolpalmeiras

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG