Time disse não a Malouda nesta quinta-feira, mas antes já havia tomado chapéu de nomes como Jonas

Se por um lado o Palmeiras coleciona “chapéus” que levou de rivais na hora de contratar reforços modestos, por outro cultiva o hábito de vetar a chegada de nomes conhecidos. Na atual gestão, a política de contratação mudou, a insatisfação da torcida cresceu e os protestos passaram a assustar os jogadores. E esse problema se reflete mais nos atletas menos experientes.

Siga o Twitter do iG Palmeiras e receba as notícias do seu time em tempo real

Um exemplo é Jonas, o lateral direito do Coritiba . A proposta salarial feita pelo Palmeiras era maior do que a do Santos, mas o atleta preferiu ser companheiro de Neymar. No fim, a negociação entre o time do Paraná e o da Baixada Santista não deu certo, e a transação regrediu. Vitor Junior, que era do Atlético-GO, disse na sua coletiva de apresentação do Corinthians que preferiu a equipe do Parque São Jorge por causa da estrutura . Outra derrota palmeirense.

Martinuccio, à direita, não quis nem saber do acordo que tinha com o Palmeiras
Photocamera
Martinuccio, à direita, não quis nem saber do acordo que tinha com o Palmeiras

O Fluminense aparece duas vezes na lista de "ladrões" de reforços do Palmeiras. O caso que mais repercutiu foi o de Martinuccio, que assinou contrato com a equipe paulista, ignorou o acordo e foi parar nas Laranjeiras. Mais recentemente, o meia Wagner voltou do exterior e também acabou no Rio de Janeiro mesmo depois de costurar um acordo com a equipe de Felipão. A desculpa de Arnaldo Tirone, presidente do time paulista, revoltou a torcida: “Ele queria uma cidade que tinha praia”.

Veja também: Frizzo diz que comissão técnica vetou Malouda no Palmeiras

Já envolvendo o São Paulo foram outros dois casos. Dagoberto deixou o Morumbi e nem quis ouvir a proposta salarial palmeirense. Acertou com o Internacional. Enquanto isso, o zagueiro que era do Figueirense Edson Silva optou pelo salário maior pago por Juvenal Juvêncio. César Sampaio só lamenta. Na coletiva de imprensa que abriu a pré-temporada, disse que tentou 27 atletas sem sucesso.

Relembre: Martinuccio contou com intérprete e entendeu contrato palmeirense

A lista tem o outro lado. Se atletas não tão consagrados preferem dizer não para o Palmeiras, outros com currículo recheado ouvem um "não" da diretoria e da comissão técnica. O caso mais recente é o do francês Florent Malouda, do Chelsea, oferecido por um empresário e vetado por Felipão.

Antes, Carlos Alberto também acabou sem acordo. Neste caso, Felipão até queria o atleta e abriu uma exceção para a chegada do meia, ignorando os problemas comportamentais. Uma lesão no quadril impossibilitou a assinatura do acordo. Outro caso foi o "não" do treinador ao chileno Suazo, companheiro de seleção chilena de Valdivia. O atacante já foi sonho de gestões passadas e gerou até campanha a seu favor na internet.

Roque Santa Cruz em ação pelo Manchester City, em novembro de 2010
Getty Images
Roque Santa Cruz em ação pelo Manchester City, em novembro de 2010

No ataque, já houve a possibilidade de pintar o paraguaio Roque Santa Cruz. Os altos salários foram o impeditivo. Mesmo caso de Saviola. Outro empresário ofereceu o atacante argentino para o Palmeiras, mas ele teve seu nome prontamente recusado. Ainda no início do ano passado, até o pentacampeão Rivaldo, pela idade avançada, acabou vetado no clube em que já foi ídolo.

Enquanto isso, a torcida clama por nomes que dêem esperanças de um futuro melhor. Tirone resume o seu sentimento lembrando dos tempos em que não era presidente. “O torcedor sofre que nem eu já sofri por muito tempo, durante uns 20 anos. Vou fazer o quê? Estou tentando contratar, mas está difícil”, disse o cartola na coletiva de despedida de Marcos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.