Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Otimista com RJ, Teixeira admite preocupação com aeroportos

Estou otimista numa melhora, inclusive com a participação da iniciativa privada, declarou líder do comitê que organiza a Copa 2014

Gazeta Esportiva |

A crise de segurança pública atravessada pelo Rio de Janeiro não preocupa Ricardo Teixeira, presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Por outro lado, o dirigente admitiu que a situação dos aeroportos no País está aquém do necessário visando à Copa do Mundo de 2014.

"O Brasil tem três problemas graves para resolver: aeroporto, aeroporto e aeroporto. Inegavelmente, é um gargalo que temos que ultrapassar", declarou o presidente da CBF e do Comitê Organizador Local (COL) durante evento com empresários realizado em São Paulo nesta sexta-feira.

Diante de representantes de algumas das maiores empresas do Brasil, Teixeira manifestou confiança na resolução do problema até a próxima edição do Mundial. "Estou otimista numa melhora, inclusive com a participação da iniciativa privada", declarou.

O presidente da CBF chegou a citar como exemplo a Copa do Mundo de 2010, já que alguns torcedores sofreram com o caos aéreo no aeroporto de Durban e chegaram a perder jogos. "Os aeroportos são um problema grave e temos que evitar o que aconteceu na África do Sul", afirmou.

O empresário João Dória Júnior, mediador do evento em São Paulo, comentou o assunto. "Não há nenhum projeto para nenhum aeroporto, exceto arremedos e puxadinhos. Eu espero que o senhor presidente consiga dormir à noite", disse. Enquanto ouvia as críticas, Teixeira baixou a vista algumas vezes.

Se admitiu preocupação com a situação dos aeroportos no Brasil, Ricardo Teixeira minimizou a guerra travada entre as forças públicas e os traficantes no Rio de Janeiro, cidade que abriga a sede da CBF, em um confronto que contabiliza, pelo menos, 37 mortos desde o último dia 21 de novembro, segundo números da Polícia Militar.

"Estou otimista em relação ao que aconteceu no Rio de Janeiro, o que por si só já foi uma tomada de posição. A repercussão disso na Fifa foi boa no sentido de que houve uma operação bem montada. Não é a solução, mas é o inicio da resolução do problema", afirmou.

Ricardo Teixeira ainda garantiu que a organização do Mundial já vem tomando providências para se precaver do terrorismo. "Temos um departamento montado que fez contato com África do Sul, Japão e Israel para estudar formas de conter o terrorismo. Estamos avançados nisso", assegurou.

Leia tudo sobre: copa 2014copa do mundo

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG