Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Oberdan evita se posicionar sobre possível busto para Marcos

Oberdan Cattani, 92 anos, e Marcos, 37, estão entre os maiores jogadores da história do clube paulista

Gazeta |

Ao lado de Junqueira e Waldemar Fiúme, Oberdan Cattani viveu a transição do Palestra Itália para o Palmeiras. Os dois primeiros, além de Ademir da Guia, são os únicos homenageados com bustos pelo clube. Questionado sobre uma possível estátua para Marcos, que deve parar no final de 2011, o ex-goleiro evita se posicionar.

"Eu não digo nada. Quem resolve é a diretoria. Os jogadores que deram glórias ao clube merecem bustos", afirmou Oberdan. Questionado se Marcos está dentro deste grupo, ele se esquiva. "Não digo que não está, mas tudo depende da diretoria".

Para Oberdan Cattani, conselheiro vitalício do clube, a decisão de homenagear um ex-jogador com uma estátua deve ser criteriosa. "Tem alguns atletas que merecem. Se for fazer essa homenagem para todo mundo, o estádio vai ficar cheio de bustos", disse.

Oberdan Cattani, 92 anos completados neste domingo, e Marcos Roberto Silveira dos Reis, 37, estão entre os maiores goleiros da história do clube. O primeiro, único ex-jogador vivo do Palestra Itália e último remanescente da Arrancada Heróica, defendeu a equipe entre 1941 e 1954. Ele foi tetracampeão paulista (1942, 1944, 1947 e 1950), ganhou o Rio-São Paulo-1951 e a Copa Rio-1951.

Já Marcos estreou em 1992 e nunca defendeu outro clube. Entre reserva e titular, ele faturou o bicampeonato brasileiro (1993 e 1994), três títulos paulistas (1994, 1996 e 2008) a Copa do Brasil-1998, a Copa Mercosul-1998, a Copa Libertadores-1999, o Rio-São Paulo-2000, a Copa dos Campeões-2000 e a Série B-2003, além das conquistas com a seleção brasileira.

De acordo com Oberdan, em 1954 seu contrato com o Palmeiras terminou e o clube não demonstrou interesse na renovação. Desta forma, após negociar com a Ponte Preta e a Portuguesa Santista, ele acertou com o Juventus e chegou a enfrentar a ex-equipe, o que inviabilizaria a construção de um busto pelo clube de origem.

Resignado, o ex-goleiro se diz satisfeito com a escultura de suas mãos em bronze que ficava na antiga sala de troféus. "Esse negócio de busto depende dos diretores. Pelos torcedores, acho que fariam, não é verdade? Mas está tudo bem. Tenho as minhas mãos lá numa homenagem muito bonita. Deram uma festa inesquecível na inauguração em 2004", afirmou.

Leia tudo sobre: OberdanpalmeirasMarcos

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG