Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Números mostram queda do Bota no segundo tempo contra o São Paulo

Após gol perdido por Loco e primeiro gol do São Paulo, equipe carioca abdicou do ataque no empate

Renan Rodrigues, iG Rio de Janeiro |

nullNa entrevista coletiva após o empate de 2 a 2 entre Botafogo e São Paulo, o técnico Caio Júnior comentou dois lances que, na opinião dele, foram responsáveis por abalar psicologicamente o time e decretar o resultado final. O gol perdido por Loco Abreu, sem goleiro, aos 15 minutos do segundo tempo, e o recuo de bola marcado pelo árbitro numa jogada entre o volante Marcelo Mattos e o goleiro Renan, um minuto depois.

Siga o iG Botafogo no Twitter e receba todas as informações do seu time em tempo real

E os números mostram que o Botafogo realmente 'parou' após os 15 minutos do segundo tempo. Das 14 finalizações do time carioca na partida, apenas uma, e errada, aconteceu após o primeiro gol do São Paulo. Já nos dribles, outra queda de desempenho. Dos 13 tentados durante o jogo, somente um foi realizado nos últimos 30 minutos da segunda etapa.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Até mesmo o número de desarmes da equipe apresentou uma queda. Foram 17 no jogo, mas apenas dois após os lances capitais comentados pelo técnico Caio Júnior. Os números são da Footstats e estão disponíveis para iPhone e iPad.

O recuo do time carioca também ficou marcado pela grande posse de bola do São Paulo, que terminou o jogo com 62% de domínio da bola. O empate de 2 a 2 foi a segunda partida com menor posse de bola do Botafogo no Campeonato Brasileiro. A primeira, curiosamente aconteceu na vitória de virada sobre o Coritiba, por 3 a 1, no primeiro turno, quando o Botafogo teve 643 segundos de posse.

Entre para a Torcida Virtual do Botafogo e convide seus amigos

Caio Júnior também comentou as mudanças que realizou na segunda etapa, para tentar 'matar' o jogo em um contra-ataque, mas afirmou que o São Paulo também teve o mérito na qualidade da bola parada do goleiro Rogério Ceni, que cruzou na cabeça de Rivaldo no gol de empate do São Paulo.

“Técnico só acerta quando o time ganha. Quando não ganha ficam falando isso. Faltavam três minutos para acabar o jogo. Coloquei o Cidinho e o Felipe Menezes para puxar o contra-ataque e o Lucas Zen para fechar o meio. Estava tudo certo para matarmos o jogo, mas levamos um gol de bola parada, mérito do Rogério Ceni”, disse o técnico do Botafogo.

Leia tudo sobre: BotafogoBrasileirão 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG