Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

No duelo dos desesperados, Bahia e América-MG ficam no empate

Times duelaram no estádio de Pituaçu, em Salvador, mas resultado final não foi bom para ninguém

Gazeta |

Duelando para sair da parte de baixo da tabela do Campeonato Brasileiro, Bahia e América-MG até que se esforçaram para conquistar os três pontos, mas acabaram mesmo ficando no empate em 0 a 0, que não agradou nenhuma das duas equipes. O confronto entre baianos e mineiros, foi realizado nesta quinta-feira, no estádio de Pituaçu, em Salvador.

Com o resultado, o time baiano até deixa a zona da degola, chegando a 21 pontos e ultrapassando o Avaí, mas o time baiano continua muito ameaçado pelo fantasma da série B. Já o América-MG vive um momento ainda mais delicado, ocupando a última posição do Brasileiro com apenas 14 pontos conquistados.

Veja como ficou a tabela do Brasileirão

O técnico Renê Simões precisando conquistar os três pontos, optou por escalar Ricardinho e Carlos Alberto na armação das jogadas e Souza no comando de ataque. No América-MG, Givanildo surpreendeu ao sacar Rodriguinho da equipe para entrada de Ulisses no meio-campo. Mas as mudanças dos treinadores não surtiram o efeito desejado.

Na sequência do Campeonato Brasileiro, o Bahia vai visitar o Flamengo, domingo, no Engenhão. Já o América-MG terá pela frente um duelo contra o Vasco, marcado também para o domingo, às 16h, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas.

AE
Bahia não atendeu o pedido da sua torcida, que depois vaiou e pediu a saída de René Simões

O jogo
Precisando da vitória para fugir da zona de rebaixamento, as duas equipes começaram o jogo de forma bem aberta, com alternância de oportunidades de gol em uma partida bastante movimentada. Atuando diante da torcida, o Bahia comandou a posse de bola nos minutos iniciais, mas o América-MG levava perigo a todo o momento nos contra-ataques, principalmente pelo lado esquerdo.

Aos poucos o América-MG melhorou na partida e equilibrou as ações, aproveitando os erros passe, fruto em grande parte da falta de entrosamento do Bahia, que entrou em campo com um time bastante alterado em relação aos jogos anteriores. Com as defesas bem postadas, as duas equipes optaram pelo jogo aéreo e pelas jogadas de bola parada, mas as investidas surtiram pouco efeito.

Aos 25, quando tentou chegar tocando a bola, o time baiano obrigou o goleiro Neneca a trabalhar, depois de boa jogada do lateral Maranhão, o jogador finalizou cruzado, e o arqueiro americano conseguiu fazer a defesa. Aos 29, veio o troco do Coelho com o armador Ulisses, que tentou tocar por cobertura na saída de Tiago, que foi mais esperto e fez a intervenção.

No final da primeira etapa, o Bahia esteve mais presente no campo de ataque, mas as conclusões deixaram a desejar e levaram pouco perigo à meta de Neneca. Acuando, o Coelho esperou um erro adversário para tentar emplacar um contra-ataque, mas como a chance não apareceu, as equipes foram para o vestiário com o placar em branco.

Com Ricardinho e Carlos Alberto bem marcados, as investidas do Bahia nasciam quase sempre pela esquerda com o lateral Maranhão. Pressionado pela torcida, que compareceu em pequeno número em Pituaçu, os donos da casa voltaram melhor para o segundo tempo, e na base da vontade empurraram o Coelho para o campo de defesa.

Aos 11, Amaral cobrou falta para o América-MG e assustou Tiago, mas a cada momento as chances americanas ficavam mais escassas. Precisando da vitória, o técnico Renê Simões resolveu mexer na equipe e sacou Carlos Alberto e Souza para as entradas de Lulinha e Rafael, na tentativa de aumentar o poder de fogo da equipe.

Aos 15, Paulo Mirada teve chance de abrir o placar em Salvador, mas o jogador desperdiçou a oportunidade, e de cabeça, mandou para fora. A resposta do América apareceu aos 21, com o volante Dudu, que arriscou arremate de longa distância, obrigando Tiago a trabalhar bem para mandar para escanteio.

Aos 35, Amaral cobrou falta colocada, buscando o ângulo direito de Tiago, mas um desvio impediu que a bola acertasse o alvo. Na cobrança de escanteio, novamente Amaral tentou surpreender, e dessa vez, acertou a trave, em um quase gol olímpico. Apesar das chances, tecnicamente o nível da partida foi muito ruim, o que justificou o resultado sem gols.

FICHA TÉCNICA
BAHIA 0 X 0 AMÉRICA-MG

Local: Estádio Lamegão, em Ipatinga (MG)
Data: 01 de setembro de 2011 (quinta-feira)
Horário: 20h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Fabrício Neves Corrêa (RS)
Assistentes: Altermir Hausmann (RS) e Kléber Lúcio Gil (SC)
Cartões amarelos: (Bahia) Marcone, Maranhão e Marcos (América-MG) Kempes e Ulisses

BAHIA: Tiago; Marcos, Paulo Miranda, Danny Morais e Maranhão; Fahel, Marcone, Ricardinho e Carlos Alberto (Lulinha); Jones (Nikão) e Souza (Rafael)
Técnico: Renê Simões

AMÉRICA-MG: Neneca; Otávio, Micão e William Rocha; Marcos Rocha, Dudu, Amaral, Ulisses (Rodriguinho) e Gilson; Kempes (Fábio Júnior) e André Dias
Técnico: Givanildo Oliveira

Leia tudo sobre: América-MGBahiabrasileirão 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG