Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Santos considera difícil volta de Maikon Leite, e atacante pode jogar no Palmeiras

Jogador tem vínculo com o Santos até junho de 2011 e pode assinar um pré-contrato com qualquer outro clube no final deste ano

iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237860406465&_c_=MiGComponente_C

Nesta quarta-feira, Sebastião Lazaroni irá ao estádio Khalifa, em Doha, para assistir Brasil e Argentina. Há três anos, o ex-técnico da seleção mora na cidade, onde dirige o Qatar Sport Club. Quando a bola rolar, ele estará com os olhos atentos na partida que terá Ronaldinho, Neymar e Messi.

Na memória, entretanto, Lazaroni ainda guarda outro duelo entre os rivais sul-americanos: a derrota para Argentina, nas oitavas de final da Copa do Mundo da Itália. Os brasileiros perderam por 1 a 0, com gol de Caniggia após jogada de Maradona, em partida disputada no dia 24 de junho de 1990, no estádio Delle Alpi, em Turim. É difícil esquecer, admite o treinador. O motivo, segundo ele, foi o modo como ela aconteceu, com Branco se sentindo mal apos beber uma garrafa de água dada por um massagista argentino.

Foi o golpe boa noite, Cinderela, aplicado nas boates de todo o mundo, para furtar, roubar, com a vitima sendo dopada, sem ter noção das coisas que são feitas, afirmou o técnico, em entrevista ao iG. Anos depois do episódio, Maradona chegou a admitir o caso em um programa de televisão na Argentina.

iG: Vinte anos depois, você já conseguiu esquecer aquela derrota para a Argentina na Copa de 1990?
Lazaroni: É difícil esquecer. Eu me lembro de uma equipe superando a outra dentro de campo naquela partida. Mas o Brasil, mesmo melhor, acabou caindo na máxima do futebol de que quem não faz leva. Agora, outra história é o fato da água batizada, a tramóia, o jogo sujo. Primeiro, essa versão parecia o jogo do perdedor, mas depois se viu que não era.

iG: Você sustenta realmente que havia algo na água que deram para o Branco durante o jogo?
Lazaroni: Claro, eles já admitiram isso. Eles bateram com a língua nos dentes, relataram no sentido de gozar o Brasil anos depois. Foi o golpe boa noite, Cinderela, aplicado nas boates de todo o mundo, para furtar, roubar, com a vitima sendo dopada, sem ter noção das coisas que são feitas.

iG: Quando vocês perceberam que algo havia sido dado para o Branco?
Lazaroni: No vestiário, quando ele desceu e relatou que passou a se sentir mal após beber uma água dada pelos argentinos. Ele disse que houve uma comunicação entre os jogadores que ele não entendeu na hora. Ele relatou isso e eu disse que ele não poderia ter bebido a água dada por um rival. Depois, o médico da seleção o analisou e disse que ele estava tudo bem para voltar à campo. Depois do jogo, ele disse que não tinha como seguir. Desde lá, eu tive a certeza que o boa noite, Cinderela existiu. Aquela vitória da Argentina foi ilícita.

iG: Isso ainda lhe incomoda?
Lazaroni: Só acho que fica a dúvida no ar, porque na Copa anterior era o mesmo grupo de jogadores. Em 1994, eles foram pegos no antidoping. Fico na dúvida se isso aconteceu só com o Brasil. Será que não houve em 1986? Quando eles relataram o fato, eu pedi punição exemplar aos envolvidos e nada aconteceu até agora.

Veja o vídeo com a entrevista de Lazaroni ao iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG