Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Nem boa atuação diminui a frustração de Diego Cavalieri

Goleiro do Fluminense diz que seu sentimento é o mesmo dos companheiros pela derrota para o Bahia

Marello Pires, iG Rio de Janeiro |

Único a se salvar na derrota do Fluminense para o Bahia, por 1 a 0, sábado, no Engenhão, Diego Cavalieri deu sua primeira entrevista coletiva desde que saiu do time no dia 9 de fevereiro, no empate de 2 a 2 com o Argentinos Juniors, pela Libertadores. Apesar da excelente atuação, o goleiro lamentou o resultado negativo e disse se sente tão frustrado quando os demais companheiros.

“A frustração é de todos. Eu sofro como todo mundo independentemente de ter feito uma boa partida. Até porque aqui é um grupo e o pensamento de todos é o mesmo. Acho que nas duas partidas com o Abel  o time se entregou em campo, mas infelizmente os resultados não vieram”, disse Cavalieri.

“Entre para a Torcida Virtual do Fluminense e convide seus amigos”

O goleiro do Fluminense sabe que os métodos de trabalho e a filosofia de Abel Braga ainda irão levar um certo tempo para começar a dar resultado, mas Diego Cavalieri pediu paciência aos torcedores e não poupou elogios ao novo comandante.

"Temos de ter paciência, pois ainda estamos colocando em prática uma nova filosofia de trabalho. Esperam muito tempo pelo Abel e nos sentimos um pouco frustrados por ainda não ter conseguido vencer com ele. Mas é apenas o início de um trabalho e com um treinador excepcional como ele e o grupo maravilhoso e de muita qualidade que temos, tenho certeza de que as coisas vão dar certo e as vitórias vão voltar a acontecer”, afirmou o goleiro.

Siga o iG Fluminense no Twitter e receba todas as informações do seu time em tempo real

Novamente titular do gol do Fluminense, Diego Cavalieri espera agarrar de vez a oportunidade e revelou que não se incomoda em usar a camisa de número 12.

“Para falar a verdade, eu sempre gostei do 12. Sempre joguei com ele no Palmeiras e pedi para usar quando cheguei no Liverpool. Infelizmente o Fábio Aurélio era o dono da camisa e tive que escolher outro número”, lembrou o goleiro.
 

Leia tudo sobre: Brasileirão 2011FluminenseCavalieri

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG