Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

"Não posso dizer que dessa água não beberei", diz Sanchez sobre CBF

Ao participar de programa de humorista, presidente do Corinthians pela primeira vez não rechaça comandar o futebol brasileiro

Thayana Nunes, iG São Paulo* |

Bruno Winckler
Andrés Sanchez deixa o Corinthians em dezembro de 2011. E depois?
O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, afirmou nesta quinta-feira que não rejeita a possibilidade de um dia assumir a presidência da CBF (Confederação Brasileira de Futebol). A declaração foi dada ao apresentador e humorista Danilo Gentili, no programa “Agora é Tarde”, que vai ao ar na madrugada desta sexta na TV Bandeirantes. Foi a primeira vez que o corintiano, um dos cotados para assumir o cargo de Ricardo Teixeira, não rechaçou prontamente concorrer ao cargo.

“Não posso dizer que dessa água não beberei (ser presidente da CBF), mas quando deixar o Corinthians eu quero me afastar do futebol totalmente, que tem muitas amarguras e decepções”, completou Sanchez, repetindo no final o discurso que costuma adotar sobre largar definitivamente cargos diretivos.

O mandato de Sanchez no Corinthians termina em dezembro de 2011, e pelo estatuto do clube ele não pode ser reeleito. Apesar de no clube existir um movimento a favor de sua permanência, e conseqüente alteração no estatuto, ele rechaça essa possibilidade sempre com o argumento de que “o futebol traz amarguras”.

“Eu saio (do Corinthians) no final do ano e espero nunca mais voltar. Meu último feito no Corinthians vai ser sair do Corinthians”, disse a Gentili. Mesmo se quiser ficar um tempo longe dos bastidores, Sanchez teria tempo até concorrer ao cargo na CBF, já que o mandato de Teixeira termina somente em 2015. Outro cargo para qual o corintiano é cotado é presidente de uma Liga dos Clubes que poderia ser criada para substituir o Clubes dos 13.

Estádio
Sobre o Fielzão, estádio corintiano que é construído em Itaquera e que deve ser indicado para a abertura da Copa do Mundo de 2014, Sanchez acabou entrando em conflito com a Odebrecht, empresa que faz a obra. No site que a construtora lançou nesta semana para atualizar detalhes da construção, o prazo de conclusão é fevereiro de 2014.

“O estádio será entregue entre agosto e setembro de 2013”, disse Sanchez, que defendeu o amigo Mano Menezes, criticado no comando as seleção brasileira. “Ele é bom, um dos três melhores do Brasil. Precisa de tempo”.

*Colaborou Marcel Rizzo, iG São Paulo
 

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG