Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Na torcida pelo Inter, Adriano Gabiru tenta outra virada na carreira

Heroi do título de 2006, meia-atacante tenta recomeço em Curitiba e diz que Inter tem que ir pra cima dos adversários no Mundial

iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237854361014&_c_=MiGComponente_C

Qual a semelhança entre Messi, Kaká, Rooney e Adriano Gabiru? Todos fizeram gol na decisão de um Mundial de Clubes recentemente. As coincidências, porém, param por aí. Ao contrário dos colegas mais ricos e famosos, o herói do Internacional no Mundial de 2006 leva uma vida bem mais modesta.

Nos últimos quatro anos Gabiru passou por seis clubes. Foi emprestado pelo Inter para Figueirense e Sport Recife. Acabou ficando sem contrato, e nos anos seguintes defendeu Goiás e Guarani. Mas o pior viria em 2010: começou o ano no Mixto, mas ficou pouco mais de um mês no time do Mato Grosso. Vieram sete meses de desemprego até que, no fim de outubro, ele assinou contrato com o Corinthians Paranaense.

Faltando duas semanas para a estreia do Inter no Mundial de Clubes 2010, o iG conversou com o herói de 2006. Morando em Curitiba, ele busca mais um recomeço, com projetos bem menos ambiciosos, mas se diz feliz com o novo momento. Quero continuar jogando até que não dê mais, afirmou. Gabiru admite que não acompanha o seu ex-clube de perto. Tampouco mantém contato mais seus companheiros de Inter. Mas diz que vai ficar na torcida pelo bicampeonato.

Getty Images
Gabiru comemora o gol da vitória sobre o Barcelona no Mundial de 2006

Confira abaixo os principais trechos da entrevista :

iG: Quando se fala no Mundial de Clubes de 2006, o que vem na sua memória?
Adriano Gabiru: Uma lembrança maravilhosa, o que aconteceu lá foi muito bom; não só pra mim, mas pra todos os jogadores. Foi uma vitória importante, um título importante. Afinal, fomos campeões, foi realmente maravilhoso, para os jogadores, comissão técnica, todos os envolvidos.

iG: O quanto foi importante aquela conquista para você?
Adriano Gabiru: Ah, foi bom! Foi uma felicidade imensa ter conquistado o título lá no Japão. Depois passei um pouco de dificuldade, agora em 2010 cheguei a ficar sem clube. Mas também já estou empregado e feliz. É claro que o Mundial me ajudou, aquele gol ajudou a projetar minha carreira. Foi algo marcante. Tive alguns imprevistos, mas é tocar a bola pra frente, trabalhar, e pensar no Campeonato Paranaense do próximo ano. Não tenho nada para reclamar.

iG: O que representa o Inter na sua carreira?
Adriano Gabiru: Por mais que eu não tenha mais contato com ninguém, ficou na história. E a história é pra sempre! É isso que penso, não falo com mais ninguém, não telefono pra ninguém, nem me telefonam de uma forma regular, mas história é história.

iG: Porque você acha que não conseguiu uma projeção maior após o Mundial de 2006?
Adriano Gabiru: Nem eu sei. É uma pergunta que não sei responder, não entendo. Teve tanta coisa que aconteceu depois daquela conquista. Alguns clubes vieram me procurar, mas não era exatamente o que eu queria, ou as propostas não eram boas. Acabei rodando bastante, cheguei a ficar até sem clube. Foi difícil, mas eu sinceramente não sei o motivo. Nem eu tenho esta resposta.

iG: Que nota daria para a sua passagem no Inter?
Adriano Gabiru: Nota 10!

iG: Mesmo?
Adriano Gabiru: É 10, cara! No mínimo 9. Foi muito bom. A passagem foi legal, ganhamos Libertadores, Mundial. Claro que tive alguns problemas. Algumas vezes o torcedor cobrou mais, tive altos e baixos, mas foi por culpa minha mesmo. Minha passagem foi excelente, o importante foi que fiz o meu papel e ele foi bem feito, com certeza!

iG: Tem acompanhado o Inter? Você assiste os jogos?
Adriano Gabiru: Não, não tenho acompanhado.

iG: Não acompanha porque não dá tempo ou porque não é do seu interesse?
Adriano Gabiru: Eu assisto a alguns jogos do Campeonato Brasileiro, mas nada em especial. Vejo também alguns jogos do Inter, mas tenho me concentrado no meu trabalho. Estou treinando bastante, então sobra pouco tempo. Tenho que manter o foco no Campeonato Paranaense do ano que vem.

iG: Você se considera um torcedor do Inter? Consegui criar uma boa identificação com o clube?
Adriano Gabiru: Sou torcedor, sim, com certeza! Gosto do Inter, em 2006 eu estava lá, agora não estou mais, mas mantenho um carinho pelo clube. Agora só me resta torcer, e é isso que faço.

iG: Vai torcer no Mundial?
Adriano Gabiru: Claro que sim! Tem o Índio, que jogou o Mundial comigo. O Bolívar e o Tinga que estavam na Libertadores. Eu não tenho mais contato com ninguém do Inter, mas são jogadores que eu conheço e que sei que farão um grande trabalho lá no Mundial de Clubes. Tomara que tragam esse troféu pro Inter e pra todos os colorados!

iG: Acha que o Inter ganha o Mundial de Clubes?
Adriano Gabiru: Tem que ganhar, né. Nada é fácil, nós não tínhamos a certeza que ganharíamos em 2006, ninguém imaginava. Mas vamos ver, fácil não vai ser, mas este time tem todas as condições. Os jogadores são muito experientes e sabem jogar esse tipo de campeonato, estão acostumados com decisões. É um grupo forte.

iG: Pela experiência de 2006, como se faz pra ganhar o Mundial?
Adriano Gabiru: É chegar lá e jogar, sem medo, ir pra cima, buscar os objetivos e sair com a taça.

iG: Quais são os seus projetos para o futuro?
Adriano Gabiru: Quero jogar o Campeonato Paranaense, este é o meu projeto. Estou com 33 anos, ainda posso seguir atuando por mais um tempo. Quero continuar jogando até que não dê mais. Um dia vou ter que parar. Eu fiquei sete meses parado, agora que arranjei um clube tenho que aproveitar. Vou fazer de tudo para ter um bom início de ano, e quem sabe no segundo semestre buscar alguma coisa no exterior ou até mesmo na Série A do Brasileiro. 

iG: Até quando planeja jogar futebol?
Adriano Gabiru: Acho que mais uns dois ou três anos. Vamos ver como eu vou render fisicamente. Nem eu sei como vai ser. Quando começarem as partidas é que vou ter uma noção melhor. O importante é que estou feliz, surgiram outras propostas, mas muitas vezes elas não agradaram. Aqui no Corinthians Paranaense foi legal, porque posso seguir em Curitiba, que é onde eu moro.

iG: O futebol conseguiu te proporcionar uma vida legal?
Adriano Gabiru: Mais ou menos, a gente vai levando. Não sou nenhum milionário, mas o importante é que estou feliz e bem.

iG: O que planeja fazer depois de encerrar a carreira?
Adriano Gabiru: Ainda não sei, não pensei nisso. Quero fazer alguma coisa ligada ao futebol, mas não sei.

Leia tudo sobre: internacionalmundial de clubes

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG