Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Na seleção, Mano volta à rotina de mistério e suspense pré-jogo

Técnico não divulgará escalação da equipe que vai enfrentar o Paraguai neste sábado, pela Copa América

Marcel Rizzo e Paulo Passos, enviado iG a Los Cardales |

Até agora, Mano Menezes não havia feito mistério sobre a escalação da seleção brasileira antes dos jogos. Até agora, Mano não tinha disputado uma competição oficial. Na Copa América, o técnico voltou a uma rotina comum nos clubes por onde passou. A equipe que enfrenta o Paraguai, no próximo sábado, em Córdoba, só será conhecida minutos antes do jogo começar.

A estratégia é diferente da que foi usada antes do primeiro jogo da Copa América e em todos os amistosos de Mano Menezes à frente da seleção. Na primeira semana de trabalho na Argentina, o técnico montou um time e testou ele até o jogo contra a Venezuela. Foi a equipe que iniciou a partida, que terminou empatada por 0 a 0 .

Com a seca de gols, o treinador ensaia mudanças na equipe e na estratégia. O meio-campo e o ataque podem sofrer alterações e o mistério e o suspense já foram escalados. Os jornalistas não puderam entrar no treinamento de quarta-feira.

Quando os repórteres e fotógrafos tiveram acessão ao campo, em Los Cardales, a 60 quilômetros, o trabalho com bola já havia terminado. O técnico conversava com os onze jogadores que começaram a partida contra a Venezuela e os reservas trabalhavam finalizações.

Através da assessoria de imprensa da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) foi divulgada a informação que duas alterações tinham sido feitas: Lucas na vaga de Robinho e Elano no lugar de Ramires.

“Não tenho confirmação das mudanças. Penso que deveria fazer dessa
forma a condução do trabalho. Disse que na segunda semana apresentaria variações. Para ver como a equipe se comporta. Deixar bem trabalhada para o jogo”, despistou o técnico.

Os dois trabalhos de mais sucesso de Mano Menezes, Grêmio e Corinthians, foram marcados por causos de mistério e suspense do técnico antes de jogos importantes.

Jogador escondido

Gazeta Press
Mano no Grêmio, em 2005, quando o time gaúcho subiu para a Série A
Em 2005, Mano tentava subir o Grêmio para a primeira divisão. Faltando duas partidas para o final da série B, o time ia jogar em casa com o Santa Cruz. Anderson, hoje no Manchester United, e na época com 17 anos era a dúvida na equipe.

“Queridinho” da torcida, o meia-atacante não era titular. E assim foi no jogo contra o Santa Cruz. Para evitar vaias ao time e pedidos por Anderson, Mano o deixou em uma sala do estádio Olímpico vendo o jogo pela televisão.

O meia-atacante só foi para o banco de reservas no segundo tempo e entrou nos minutos finais da partida. O Grêmio venceu por 2 a 0 e, depois, conseguiu o acesso para a série A do Brasileiro.

Treino com dor

Gazeta Press
Mano Menezes e Chicão durante treino do Corinthians
No Corinthians, antes de um clássico contra o Palmeiras, em 2009, o zagueiro Chicão se recuperava de um problema muscular e era dúvida para o jogo. Dois dias antes, na sexta-feira, Mano disse que ele jogaria.

No sábado, Chicão treinou, apesar de correr pouco. O zagueiro confirmou que jogaria, o que não aconteceu. Depois do jogo, Mano Menezes admitiu que o zagueiro havia treinado com dor para enganar o técnico rival.

Esquema “fake”
Antes do primeiro jogo da semifinal do Paulista de 2009, Mano fez um treino com o esquema que sempre usava, o 4-4-2. Mas a imprensa só viu a parte final. Quando o trabalho foi fechado, ele usou o 4-3-3, que virou o esquema preferido do técnico no clube.

A primeira parte do trabalho foi feita com o sistema tático “fake” só para enganar os jornalistas e despistar o rival.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG