Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Na Loja da Fifa, peças do Mazembe estão praticamente esgotadas

No trailer colocado no estádio, somente uma bandeira restou. Faixas, camisetas, chaveiros e cachecóis foram vendidos depois da classificação para a final ao bater o Inter

Marcel Rizzo, enviado iG a Abu Dhabi |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237882721487&_c_=MiGComponente_C

O Mazembe definitivamente se transformou na sensação do Mundial de clubes. Depois de eliminar o Internacional na semifinal, ao vencer por 2 a 0 na terça-feira, os produtos do clube que são vendidas na loja oficial que a Fifa montada nos estádios praticamente acabaram. Duas horas e meia antes da semifinal entre Inter de Milão e Seongnam, da Coreia do Sul, no Zayed Sports City, havia apenas uma bandeira à venda. O restante (as outras bandeiras, bonés, camisetas e cachecóis) acabou.

Antes do jogo contra o Internacional brasileiro já havia pouca coisa. Muitos africanos e brasileiros também compraram. Mas quando abrimos a loja hoje (quinta-feira), um pouco mais cedo, acabou tudo. Tem só essa bandeira aqui, mostrou Mark, atendente da loja da Fifa no Zayed Sports City. A bandeira sobrevivente estava sendo vendida pelo mesmo preço, 60 Dirhams (equivalente a R$ 30). Não houve aumento de preço, não, apesar de estar valorizado, brincou Mark.

Dos outros seis participantes é possível achar tudo. Uma camisa da Inter de Milão, por exemplo, é vendida a R$ 140, enquanto uma do Al-Wahda sai por R$ 110. Até material do Hekari United, time da Papua-Nova Guiné eliminado na primeira rodada, era possível achar, com bandeiras e faixas. Camisas oficiais do Internacional esgotaram antes da partida de quarta, vendidas por cerca de R$ 150.

A vitória africana foi sensação nas TVs e jornais árabes, principalmente nos falados e escritos em inglês, que prestam mais atenção ao futebol (os veículos em árabe preferem críquete e golfe). A vitória é considerada histórica porque pela primeira vez uma equipe africana conseguiu chegar a uma final do Mundial de clubes  - também inédita será a não presença de um sul-americano na final.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG