Conselho convoca reunião que pode definir eleições diretas, mas pode tirar futebol das mãos do presidente

O ex-presidente Mustafá Contursi não quer ver o futebol saindo das mãos dos conselheiros e associados do Palmeiras . Por isso, propôs a criação de um Conselho Gestor para o principal setor do clube, mantendo a direção desta área nas mãos de quem não é profissional, assim como já ocorre atualmente. Além disso, se criado, o Conselho Gestor enfraquece o poder prático das eleições diretas com o voto dos sócios, já que o presidente deixaria de ter controle sobre o futebol profissional.

O polêmico pacote de mudanças será votado no dia 24 de outubro, segundo convocação do presidente do Conselho Deliberativo, José Ângelo Vergamini.

Veja também: “Novos cartolas” querem futebol profissional e cargos remunerados

Reprodução
Edital de convocação do conselho, publicado em jornais
A tentativa é classificada pela chapa oposicionista UVB (União Verde e Branco) como golpe de Mustafá Contursi. Segundo os integrantes da UVB, a pauta do encontro não poderia conter, ao mesmo tempo, a votação para a criação do Conselho Gestor do futebol, proposto por Mustafá, e também a votação para outras reformas estatutárias, como as eleições diretas para presidente, por exemplo.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

“O Mustafá é esperto. Se as duas mudanças forem aprovadas de uma vez só, não muda nada o Palmeiras ter a eleição direta. Com este Conselho Gestor, o presidente não vai ter poder no futebol, vai ficar tudo na mão dos conselheiros. Então não adianta nada ter a eleição direta”, disse Wlademir Pescarmona, ex-diretor de futebol e um dos homens fortes da UVB.

Veja também: Tirone não vai a evento da Arena por acordo com WTorre

“Além desse problema, a nossa proposta de mudança deixa bem claro que a reunião precisa ser extraordinária, que isso seja o único item da pauta. Por isso, vamos fazer uma reunião nos próximos dias e analisar o que podemos fazer”, completou Pescarmona.

Siga o Twitter do iG Palmeiras e receba as notícias do seu time em tempo real

A pauta da reunião que foi enviada aos conselheiros coloca a votação de mudanças no estatuto como um pacote único. Ou seja, para aprovar a eleição direta, com a participação de associado, os conselheiros vão aprovar de forma automática o Conselho Gestor para o futebol, que ainda terá a participação de vitalícios, outro item muito questionado.

Dentro de campo: Palmeiras só cai na classificação do Brasileirão. Veja

Inicialmente, a reunião está marcada para o dia 24 de outubro, na Academia de Futebol. Só os 287 conselheiros foram convidados. Segundo Pescarmona, o pedido feito por eles a José Ângelo Vergamini continua engavetado. O Estatuto do clube não prevê um prazo mínimo para que as requisições feitas por conselheiros sejam votadas.

Mustafá questiona grupo e diz que eles enxergam fantasmas

Mustafá Contursi presidiu o Palmeiras por 11 anos, ganhou títulos e foi rebaixado
Gazeta Press
Mustafá Contursi presidiu o Palmeiras por 11 anos, ganhou títulos e foi rebaixado
Mustafá Contursi questionou o grupo de Pescarmona, que ele prefere não chamar mais de oposição. Segundo o ex-presidente, a ala está aplaudindo as ações do atual mandatário, já que , na sua opinião, Arnaldo Tirone manteve os procedimentos feitos por Luiz Gonzaga Belluzzo na gestão anterior. Além disso, ele afirma que as reclamações são feitas por quem enxerga fantasma no espelho.

Leia ainda: Felipão ironiza notícias sobre sua saída do Palmeiras antes de 2012

"Minha proposta é debater o Conselho Gestor, porque tem coisas que precisam ser aperfeiçoadas. Essa reunião nem deve ter a votação, já que toda mudança precisa ser em reunião extraordinária. Eles estão vendo fantasmas. Não interessa se é direta ou não, mas toda mudança no estatuto deve ser votada. Se for facctível, essa eleição direta pode até ser conduzida pelo Conselho Gestor, por que não?", indagou Contursi.

Saiba ainda: Cartilha de dirigente veta Twitter e recomenda cuidado com empresários

"O que eu sei é que a mudança vai dar bem mais força para o presidente. O mandatário não vai depender de acordos políticos. Tudo isso que ele (Tirone) faz atualmente é porque foi eleito com acordo com outros grupos e não consegue manter a austeridade do clube. Deve ter feito acordo com todo mundo, menos comigo, porque não está cortando os gastos na gordura e na carne, como ele prometeu", finalizou.

Saiba mais: Mustafá considera gestão de Arnaldo Tirone sofrível

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.