Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Muricy: "Se me ligarem, digo que só converso daqui a 30 dias"

Técnico negou que tenha sido procurado por algum clube até agora e disse que não pretende sair do Brasil

iG São Paulo |

Após sair do Fluminense, o técnico Muricy Ramalho só quer saber de descansar. Ele não pretende assumir um clube durante os próximos 30 dias, pelo menos. Apesar do interesse do Santos em contratá-lo imediatamente, uma eventual negociação não acontecerá tão cedo: "Se me ligarem, digo que só converso daqui a 30 dias. E se eu não estiver bem depois, fico (descansando) mais", prometeu Muricy, em entrevista à ESPN Brasil, nesta segunda-feira.

Muricy disse que até agora não foi procurado por nenhum clube. Isso confirma a informação, revelada pelo iG no domingo, de que o Santos só teria interesse em negociar com ele a partir de quinta-feira, depois da partida contra o Colo Colo, pela Copa Libertadores da América. O técnico diz que o time paulista não deve ter sucesso na sua tentativa: "Não atendo e não converso. Se me ligarem, não vou aceitar", declarou ele.

Esse tempo de descanso é necessário, segundo Muricy, porque foi difícil para ele sair do Fluminense. "Eu tinha um ambiente profissional, jogadores na mão, caras parceiros. Ontem (domingo), como vazou pra imprensa, os jogadores ficaram no vestiário por uma hora pedindo pra eu ficar. Não é fácil largar os parceiros e amigos", revelou o técnico.

Questionado se o seu próximo time pode não ser brasileiro, ele descartou a possibilidade. "Quero permanecer no Brasil. Não é minha ideia sair. Já tive uma experiencia fora e não quero isso, não. Sei que vai ter convites, sempre que estou sem time é assim, falam do Catar, da Arábia, mas não me interessa não".

Saída do Fluminense
Além de projetar seu futuro, Muricy Ramalho também voltou a comentar os motivos que o levaram a sair do Fluminense. Ele reafirmou tudo que já tinha declarado anteriormente, mas dessa vez com maiores detalhes. O técnico voltou a dizer, por exemplo, que a falta de estrutura do Fluminense o incomodava. Perguntado sobre o que exatamente foi prometido e não cumprido, ele foi enfático: "Não fizeram nada, absolutamente nada".

Milton Trajano
Muricy pode sofrer com o assédio do Santos enquanto estiver descansando

O sonho do técnico é que o clube tivesse um Centro de Treinamento. "Eu mesmo conversei com pessoas, e tem poucos terrenos pra um CT no Rio. Então, eu queria pelo menos melhorar um pouco as Laranjeiras, mas não melhoramos nada. Daí o cara vai fazer um cruzamento e a bola vai lá em cima. Ou então o jogador se machuca no treino. Esse é o problema", comentou o técnico.

Muricy Ramalho negou que tivesse qualquer desentendimento com o presidente do Fluminense, Peter Siemsen, mas admitiu que não gostou da saída de Alcides Antunes, ex-vice-presidente de futebol do Fluminense. Segundo ele, o fato não foi decisivo para sua saída do clube, uma vez que que ele já tinha decidido isso há uma semana e só ficou até este domingo por causa do clássico contra o Flamengo. "Não dava pra aguentar mais. Aguentei o Fla-Flu porque não tinha condições de sair antes. Mas passar disso eu não ia passar mesmo", disse o treinador, que comandou o Flu no empate sem gols contra o Flamengo.

Além dos problemas na Laranjeiras, Muricy denunciou ainda a situação caótica em Xerém, onde o Fluminense cuida de suas categorias de base. "Eu fui lá ver e é uma coisa absurda. Tem que recuperar lá, já que não está mais revelando jogadores. É um desastre, não dá pra deixar os meninos lá". O técnico contou, porém, que essa sempre foi uma das prioridades e precoupações de Peter Siemsen.

Leia tudo sobre: FluminenseSantosmercado da bolaMuricy Ramalho

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG