Tamanho do texto

Treinador do Santos acredita que pensar no próximo jogo e somar pontos é o mais importante neste momento da competição

Muricy Ramalho diz não se prender às vitórias passadas
AFP
Muricy Ramalho diz não se prender às vitórias passadas
Com a vitória sobre o Juan Aurich, na noite desta quinta-feira , em Chiclayo (Peru), o Santos deu um grande passo para a sua classificação à fase de mata-mata da Copa Libertadores da América . Apesar disso, o técnico Muricy Ramalho se mantém cauteloso, evita fazer contas pela qualificação no grupo 1 e prega respeito aos peruanos para o duelo de volta, marcado para a próxima quinta, no Pacaembu.

Leia também: Santos leva susto no começo, mas vence o Juan Aurich de virada

"No futebol você não se pode se prender ao triunfo passado. Respeitamos o Juan Aurich sempre e vamos respeitá-los novamente, jogando em nossa casa. Nós vamos jogar forte, porque assim deve ser para superar um adversário na Libertadores", destacou o treinador santista.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Sobre a pontuação necessária para se classificar as oitavas de final da competição, Muricy prefere pensar rodada a rodada, ao invés de recorrer ao auxílio da calculadora.

Confira ainda: Após vitória em "carpete", Muricy enaltece amadurecimento do time

Os santistas tem os mesmos seis pontos de Internacional e The Strongest (Bolívia). Só que os gaúchos lideram porque levam vantagem no saldo de gols ( 5 a 3), deixando os alvinegros na segunda posição. Os bolivianos estão no terceiro lugar, já que possuem saldo negativo, de -3.

E mais: Borges comemora fim do jejum de gols pelo Santos

"É difícil fazer conta, está muito cedo para fazer isso. Temos que pensar jogo a jogo e ir pontuando. Porém, o mais importante é que o nosso time voltou a jogar bem. Tinha sido desta forma contra o Inter (na vitória por 3 a 1, semana passada, na Vila Belmiro) e foi assim contra o Juan Aurich, novamente. Sem dúvida, trata-se de algo que nos dá confiança e segurança para nos classificarmos com um pouco mais de tranquilidade", encerrou o comandante.