Tamanho do texto

Para o técnico, jogando no exterior, time terá rivais mais abertos do que no Engenhão. Ele disse entender vaias da torcida

Apesar do segundo empate consecutivo do Fluminense na Libertadores, com uma eliminação na semifinal da Taça Guanabara para o Boavista no fim de semana, o técnico Muricy Ramalho mostrou tranquilidade na entrevista coletiva concedida após a partida contra o Nacional, do Uruguai, no Engenhão. Ele afirmou que entende o torcedor que vaiou o time (alguns chegaram a fazer um coro de "burro"), mas acredita que os tricolores poderão render melhor jogando fora do Brasil, aonde espera um jogo mais ofensivo dos adversários.

O próximo adversário do Fluminense é o líder do grupo, América do México, que pode abrir quatro pontos de vantagem se vencer, nesta quinta, o confronto com o Argentinos Juniors, em Buenos Aires. "Realmente não era o resultado que a gente esperava, mas está em aberto. Eu acho que jogaremos até melhor fora de casa, porque os adversários nos atacarão. Aqui, só se defenderam", disse.

Na opinião do técnico, o torcedor tem o direito de protestar. "Entendo a torcida reclamar e xingar, porque o jogo é muito tarde, ela vem de longe, paga caro e quer ver o time ganhar. Quando isso não acontece, tem o direito de reclamar. Mas o que posso dizer é para confiarem no time que aos poucos voltará a ser o que foi ano passado".

Muricy analisou que a fartura de gols no início da temporada causou uma falsa impressão no torcedor, pois a defesa não estava sólida como em 2010. Sem Fred nesta quarta, o placar ficou em 0 a 0. "O Fluminense começou a temporada fazendo muitos gols e isso empolgou a torcida, mas o time estava sofrendo muitos gols também, com a defesa bem menos consistente do que no ano passado. Hoje, com o Digão, a defesa melhorou e já ficou quase como a gente quer, com mais consistência. Aos poucos o time vai começar a melhorar nos outros setores, houve muitas mudanças".