Ministro do Esporte evita criticar cartola que pediu saída do COI às vésperas de audiência na entidade sobre possível corrupção

Após renunciar às suas funções no COI (Comitê Olímpico Internacional) quando o Comitê de Ética da entidade preparava audiência sobre a conduta de três dos seus integrantes, João Havelange foi aplaudido na abertura do Footecon e chamado de "pai" por Carlos Alberto Parreira , organizador do evento.

Leia tambem: Renúncia encerra investigação sobre Havelange, diz presidente do COI

Ex-presidente da Fifa e padrinho político de Ricardo Teixeira , Havelange preferiu não dar entrevistas em sua primeira aparição pública desde que deixou o Comitê. Ele era investigado sobre suposto envolvimento com pagamentos ilícitos da extinta empresa suíça de marketing esportivo ISL, que negociava direitos de transmissão de eventos da Fifa. Com a saída de Havelange, alegando problemas de saúde, a investigação foi dada como encerrada.

Leia também : Fifa adia divulgação de dossiê que implica Teixeira em caso de corrupção

Também presente à abertura, o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, sucessor de Orlando Silva, que deixou a pasta sob acusações de corrupção, se esquivou quando indagado sobre Havelange. “Creio que a renúncia às funções ocupadas em órgãos internacionais é uma decisão pessoal do Havelange. É uma personalidade do futebol, com grande influência no exterior, mas isso não prejudicará a organização da Copa ou das Olimpíadas".

Havenlange conversa com Parreira durante a Footecon 2011, no Rio de Janeiro
AE
Havenlange conversa com Parreira durante a Footecon 2011, no Rio de Janeiro

Rebelo afirmou ainda que “todas as obras para a Copa do Mundo de 2014 serão entregues no prazo, mas se houver atraso será pouco”. Otimista, o ministro disse pretender aprovar ainda neste ano, na Câmara dos Deputados, a Lei Geral da Copa , cuja demora na aprovação tem causado desgaste entre governo e Fifa. O aval do Senado, porém, só em 2012.

“A única obra com um pouco de atraso é a do Internacional , mas já foi dado um grande passo para que isso seja compensado”, disse o ministro, sem dar maiores explicações. “O Brasil estará preparado, tem grandes arenas e já deu exemplos de que consegue fazer uma organização decente em grandes eventos”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.