Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Morre Chinesinho, ídolo do Palmeiras no final da década de 50

Ex-meia de 75 anos conquistou o Paulista de 1959 e a Taça Brasil de 1960 pelo Palmeiras

Gazeta |

Gazeta Press
Chinesinho, em foto de 1985, quando teve uma passagem como técnico do Palmeiras.
Um dos maiores ídolos da história do Palmeiras morreu na manhã deste sábado. O meio-campista Chinesinho, que vestia a camisa 10 antes de passá-la a Ademir da Guia, tinha 75 anos e sofria do mal de Alzheimer. Chinesinho vivia em Rio Grande (RS), mesma cidade onde nasceu e começou a carreira de jogador. Ele defendeu o Inter entre 1955 e 58, quando foi para o Palmeiras.

Sidney Colônia Cunha, nome de batismo de Chinesinho, atuou pelo Palmeiras entre 1958 e 1962, com 241 jogos disputados (147 vitória, 46 empates e 48 derrotas), marcando 65 gols. Para muitos que o viram atuar, é o melhor jogador que já vestiu a camisa do clube.

Ele ainda deixou Ademir da Guia dois anos no banco, antes de ser negociado em 1962 com o Modena, da Itália, na maior transação do futebol brasileiro na época. "Ele era um jogador muito técnico, muito rápido. Jogava no meio-campo, um pouco atrás do centroavante, e além de armar as jogadas também chegava com facilidade para finalizar a gol", lembrou Arnaldo Tirone, presidente do Palmeiras.

"Foi um craque, que só poderia mesmo ser substituído pelo Ademir da Guia", continuou Tirone. "Com o dinheiro da venda dele, o Palmeiras contratou 15 jogadores e formou a Primeira Academia. Vieram, entre outros, Servílio, Tupãzinho, Rinaldo, Vavá e Djalma Dias".

Chinesinho ainda atuou por outros três times italianos: o Catania, a Juventus e o Lanerossi Vicenza. Aposentou-se em 1971 para seguir a carreira de técnico na Itália. Em 1985, comandou o Palmeiras com 14 jogos, alcançando cinco vitórias, seis empates e três derrotas.

"O Chinesinho ficará eternizado como um dois maiores nomes que passaram pelo Palmeiras. Isso nunca se apagará. Fica o nosso sentimento de pesar à família e aos amigos", declarou o vice-presidente de futebol do Palmeiras, Roberto Frizzo.

Leia tudo sobre: FutebolPalmeiras

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG