Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Membros da Fifa não contestam acusação de suborno, diz jornal

O Estado de S. Paulo afirma que acusados de receber propina só não foram punidos devido a uma brecha na legislação suíça

iG São Paulo |

Getty Images
João Havelange e Ricardo Teixeira estariam entre os acusados, de acordo com a BBC
Uma ação judicial que correu na cidade de Zug, no nordeste na Suíça, durante a década de 1990, confirma o recebimento de dinheiro, possivelmente propina, por membros da Fifa (Federação Internacional de Futebol e Associados). “Nos procedimentos, os acusados negam responsabilidade criminal, mas não o recebimento dos fundos", diz trecho do processo publicado nesta terça-feira pelo jornal O Estado de S. Paulo.

A investigação constatou que a propina paga a membros da Fifa chegaria a US$ 100 milhões (R$ 163 milhões). Como a Justiça da Suíça à época não punia esse tipo de procedimento, não foi aplicada nenhuma pena. Os acusados, porém, pagaram US$ 5,5 milhões (R$ 8,9 milhões) num acordo para encerrar o processo sem a divulgação dos nomes dos envolvidos. Ricardo Teixeira seria um dos acusados que pagaram pelo acordo.

Na segunda-feira, a rede de TV britânica BBC exibiu um programa que reforça as acusações contra Ricardo Teixeira, presidente da CBF, e João Havelange, ex-presidente da Fifa. Os dois estariam entre os acusados do processo encerrado após o acordo judicial. David Triesman, ex-presidente da associação inglesa de futebol (FA, em inglês), já havia feito acusação semelhante contra Teixeira.

Ainda de acordo com a BBC, um promotor de Zug determinou recentemente que os detalhes do caso sejam finalmente divulgados, embora a ação esteja arquivada. A Fifa, em defesa de seus membros, colocou advogados para agir a fim de manter as informações em segredo.

Atual presidente da Fifa, Blatter repete constantemente que a entidade adota “tolerância zero” para casos de corrupção. A BBC, porém, diz que o dirigente teria conhecimento de casos de propinas pelo menos desde 1997, citando um suborno de US$ 1 milhão (R$ 1,63) destinado a Havelange e enviado por engano para a Fifa.

Leia tudo sobre: fifaricardo teixeirajoão havelangecbf

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG