Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Meio marcador e má pontaria rival põem defesa palmeirense no topo

Números mostram que times não conseguem finalizar contra o Palmeiras e que todo time ajuda no combate

Danilo Lavieri, iG São Paulo |

A defesa palmeirense é a menos vazada do Brasil em 2011. Foram oito gols sofridos em 19 jogos, o que significa o melhor desempenho do time nesse setor nos últimos 22 anos. O iG fez um levantamento e descobriu que o motivo de tal recorde não pode ser vinculado somente ao desempenho de goleiros e zagueiros e tampouco ao número de desarmes, uma vez que o time fica longe de ser o melhor nesse quesito. O detalhe é que as equipes rivais não conseguem acertar o alvo quando jogam contra o Palmeiras. Seja por falta de espaço ou pela ajuda de todos jogadores, o fato é que os goleiros do time de Felipão quase não trabalham.

O Palmeiras tem os goleiros menos exigidos. Segundo os números do Footstats, os arqueiros do Palestra Itália trabalham em média 2,3 vezes por jogo no Paulistão. O número é ligeiramente inferior ao do Corinthians, que tem seus goleiros trabalhando 2,4 vezes por partida, o que mostra certa superioridade de Deola e Marcos em relação a Júlio César, uma vez que o time do Parque São Jorge tomou dez gols no Estadual.

Isso comprova as falas de Felipão, que sempre faz questão de destacar a marcação em conjunto de seu time, e não apenas dos defensores. Além, é claro, de elogiar Flávio Murtosa, seu auxiliar.

“Sai um jogador, entra outro, e a nossa defesa continua bem. A conversa do dia-a-dia ajuda a termos esse bom retrospecto, mas os homens de meio e ataque também são fundamentais, pois eles têm a consciência de fechar os espaços e voltar para marcar. Além disso, o trabalho que é feito pela comissão técnica, especialmente pelo Murtosa, é importantíssimo. Ele treina com os zagueiros para dar bicão, arremates e cabeceios. O reflexo disso é o baixo número de gols que sofremos de uns tempos para cá", disse o treinador.

Em 16 jogos que disputou até aqui no Estadual, o Palmeiras fez 14 times finalizarem abaixo de suas médias. O bom exemplo é o Linense. O time do interior acerta o gol do adversário em média 5,4 vezes por partida. Contra o líder do campeonato, o mesmo time não acertou nenhuma vez o gol. Situação idêntica ao do time do Americana.

Desempenho dos times na finalização contra o Palmeiras no Paulistão

Veja como foram as equipes que enfrentaram o time de Felipão em relação ao que normalmente fazem no Estadual

Gerando gráfico...
Footstats


O desempenho é bom não só nos jogos contra times pequenos. O São Paulo é o 2º melhor finalizador do campeonato, ou seja, vice-líder no quesito acertar o gol do adversário: média de mais de seis por jogo. Contra o Palmeiras, os jogadores do Morumbi acertaram apenas três vezes, o que significa menos da metade de sua estatística normal. Esse foi, inclusive, o jogo em que os comandados de Carpegiani menos acertaram a meta adversária em toda a competição.

O Corinthians também sofreu nas mãos dos marcadores palmeirenses. O time do Parque São Jorge ganhou o jogo apesar de ter sido verdadeiramente sufocado pelo rival. Foram apenas duas finalizações certas, o que significa o confronto em que eles acertaram o menor número de vezes o gol do oponente.

Gazeta Press
Deola é o goleiro menos vazado do Campeonato Paulista

Só dois times foram melhores do que suas médias quando enfrentaram o Palmeiras. E aí Deola correspondeu. O São Caetano finalizou sete vezes de forma correta, bem acima de sua média de 3,8. Nesse jogo, a trave foi acertada duas vezes, e o camisa 22 brilhou outras cinco, sendo que em duas delas as defesas foram incríveis. O Noroeste acertou seis vezes o gol palmeirense, sendo que sua média é de 5,2.

Isso também explica o fato da defesa palmeirense mudar tanto no decorrer do campeonato e oscilar tão pouco. Maurício Ramos, Danilo, Leandro Amaro e Thiago Heleno já revezaram como titulares do time. Sem contar as mudanças na proteção da zaga, que já contou com Márcio Araújo (o único que esteve em todos os jogos), Marcos Assunção, Chico, Tinga e João Vítor.

Um fator que comprova a importância do time inteiro na marcação é a distribuição de desarmes. Como a tabela abaixo mostra, os melhores marcadores não são os zagueiros. Rivaldo, lateral-esquerdo, Cicinho, lateral-direito, e os volantes Marcos Assunção e Márcio Araújo são os melhores nesse quesito. O melhor zagueiro, curiosamente, é Maurício Ramos, que foi tirado do time recentemente. Thiago Heleno vem logo em seguida.

O 8º, o 10º e o 12º na média são Vitor, Lincoln e Bruno Turco. O primeiro foi tirado do ranking por ter saído do time e os outros dois pelo baixo número de jogos (3 e 1).

Jogadores Média de desarmes Número de jogos % de acerto
1º) Rivaldo 3,5 por jogo 11 84,8 %
2º) Cicinho 3,5 por jogo 15 86,7%
3º) Marcos Assunção 2,7 por jogo 13 77,8%
4º) Márcio Araújo 2 por jogo 16 76,2%
5º) Maurício Ramos 1,9 por jogo 8 62,5%
6º) Thiago Heleno 1,8 por jogo 11 66,7%
7º) Gabriel Silva 1,6 por jogo 5 61,5%
9º) Luan 1,4 por jogo 14 73,1%
11º) Patrik 1,1 por jogo 13 93,3%
13º) Danilo 0,9 por jogo 12 78,6%

 

Leia tudo sobre: palmeirascampeonato paulista 2011felipão

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG