Atleta diz que rivais pararam de fazer faltas perto da grande área, lugar perfeito para suas cobranças

Marcos Assunção enxerga a seca de gols na bola parada como resultado do respeito dos adversários. O experiente volante do Palmeiras afirma que os rivais pensam duas vezes antes de cometer uma infração perto da grande área e que isso dificulta a sua vida na hora de entrar na artilharia dos escolhidos de Felipão .

O volante, no entanto, minimiza o número de gols – apenas dois de falta em 2011 - e diz que tudo isso é compensado com as assistências que ele tem dado a seus companheiros em cruzamentos, seja de faltas ou de escanteios.

Siga o Twitter do iG Palmeiras e receba as notícias do seu time em tempo real

“Precisa ter mais faltas nos jogos. Se você pegar, tive algumas oportunidades este ano, mas quando eu cheguei aqui tinha muito mais. Alguns jogos, eu batia três, quatro faltas. Se você ver as faltas que tivemos neste ano, foram poucas perto da área. No ultimo jogo, por exemplo, não tivemos nenhuma chance. De repente, os jogadores adversários não estão fazendo a falta, já tem um certo respeito, um receio, e ao invés de chegar como chegavam, eles cercam mais. Mas tudo bem, o importante é ajudar o time. Dei bastante gol para os zagueiros em faltas, então estou feliz por isso”, disse o jogador.

Apesar do pouco número de faltas perto da área, as estatísticas mostram que o Palmeiras é o time que mais apanha neste Brasileirão. O Footstats coloca o time de Felipão com 154 faltas sofridas, o que resulta em uma média de 22 por jogo. Em contrapartida, é também o time que mais bate, com 166 cometidas.

Coloque seu time em 1º lugar no ranking da Torcida Virtual do iG Esporte

Até por isso, Assunção revela que já pediu a seus companheiros para que faltas perto da área sejam cavadas. O jogador explicou, até, que Felipão já exaltou a importância de que isso aconteça durante os jogos.

“Se você pegar, as faltas sofridas são laterais, sempre longe da área. A gente conversa muito sobre isso, para termos mais faltas perto da área, mas os zagueiros não estão fazendo. Eles estão mais cautelosos, talvez por não me conhecerem em 2010, porque fiquei pouco tempo no Brasil. Tínhamos muitas oportunidades, muitas faltas, sempre com perigo, talvez esse ano eles segurem mais as infrações”, completou o jogador.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.