Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Marcelo Teixeira contra-ataca Luis Álvaro e cobra transparência na negociação de Robinho

Além de rebater as críticas de seu sucessor, o ex-presidente do Santos faz diversos questionamentos sobre a atual administração do clube

Samir Carvalho, iG São Paulo |

O ex-presidente do Santos, Marcelo Teixeira, rebateu as críticas de seu sucessor, Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro. Além de responder a acusações feitas ao atual dirigente santista, Teixeira fez vários questionamentos sobre a administração de Luís Álvaro. Entre elas, o ex-presidente cobrou transparência nas negociações realizadas no clube nesta temporada, e principalmente sobre o salário de R$ 1 milhão pago a Robinho no primeiro semestre deste ano.

Entre as tantas promessas não cumpridas pela atual gestão está a de transparência absoluta das contas. Quem pagou, afinal, o salário de mais de um milhão de reais de Robinho? Foi o clube? Se não foi, porque a diretoria não divulga o nome dos empresários que fizeram o pagamento dos salários sem qualquer outro interesse. Tamanho amor ao clube deveria ter rendido a eles sinceras homenagens e não sua manutenção no anonimato, questionou Teixeira em seu blog oficial.

Além do ordenado de Robinho, o ex-presidente também questionou quem está bancando o salário de Neymar, que pode chegar a R$ 500 mil mensais. Outra crítica de Teixeira é sobre a uma possível indiferença na renovação contratual do meia Paulo Henrique Ganso. 

O clube está bancando sozinho o salário de R$ 500 mil de Neymar? Caso haja alguma parceria, qual o interesse dos parceiros no caso? Quem são eles? Por que tratar diferentemente a renovação de Paulo Henrique e deixá-lo descontente na fase de recuperação de grave contusão?, afirmou Marcelo Teixeira, que cobrou os R$ 40 milhões do fundo de investimento, que foram prometidos pela atual administração durante as eleições.

Onde estão os R$ 40 milhões do fundo de investimentos que resolveriam todos os problemas do clube, evitando, inclusive, vendas precoces de jogadores como Wesley e André por irrisórias quantias para o mercado internacional? E as ações de marketing e seus resultados obtidos com a exploração da fantástica e jovem equipe de futebol profissional, herdada de nossa gestão?, disse.

Além de fazer críticas, Teixeira negou que tenha sugerido a venda de Neymar e Ganso para quitar as dívidas do clube antes de deixar o cargo de presidente do clube em dezembro do ano passado.

É mentirosa a afirmação de que tentei vender os atletas PH Ganso e Neymar após o pleito eleitoral do clube. Nossa administração sempre lutou para manter nossos atletas o maior período possível no clube. Prova disso que Diego, Robinho, Elano e outros, graças ao nosso esforço, permaneceram no clube de 2001 a 2005, concluiu.

 

 

Leia tudo sobre: campeonato brasileirofutebolsantos

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG