Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Mano ignora pedido de Muricy: ‘Não vou me preocupar com os outros'

Técnico da seleção diz que ninguém resolve os seus problemas ao explicar convocações de santistas e corintianos para amistoso

Vicente Seda, iG Rio de Janeiro |

AE
Mano Menezes durante entrevista coletiva nesta segunda, no Rio
O apelo do técnico do Santos, Muricy Ramalho, para que não fossem convocados jogadores de sua equipe para o primeiro amistoso após o fracasso na Copa América, contra a Alemanha, em Stuttgart, no dia 10 de agosto, não foi bem recebido pelo técnico da seleção brasileira, Mano Menezes. O pedido de Muricy foi em função do clássico entre Santos e Corinthians, na mesma data do amistoso. Mano, porém, afirmou que já havia deixado de convocar santistas por causa das finais da Libertadores e classificou a situação como “cobertor curto” - a partida já tinha sido adiada uma vez.

Os santistas convocados foram Neymar e Paulo Henrique Ganso, os principais jogadores da equipe, enquanto o Corinthians teve apenas o volante Ralf chamado para a partida contra a Alemanha. Indagado sobre Muricy, a primeira resposta de Mano não foi das mais simpáticas: “Não vou ficar pensando no problema dos outros, os outros que resolvam os seus, ninguém resolve os meus. Não temos nenhum tipo de acerto, nenhum tipo de pedido. É uma escolha”, disparou. Em outro momento da coletiva concedida na manhã desta segunda-feira em um hotel na zona sul do Rio, ele explicou de forma um pouco mais amena:

“Estive do lado de lá, não reclamei nunca de convocação, os jogadores devem sempre pensar em estar na seleção, e os técnicos devem ter essa consciência também. O Santos estava na Libertadores. É como cobertor curto, puxa para cima, descobre o pé. Se tirou de um lugar, vai estourar em outro momento”, analisou.

Mano frisou ainda que enfrentar a Alemanha neste momento não se trata de um “tira-teima” pós Copa América. “Não é um tira-teima, mas uma necessidade, já que não vamos jogar as Eliminatórias. Temos de compensar isso com grandes adversários. Então se criou essa necessidade e estamos usando esses jogos para isso. Precisamos dar experiência a alguns jogadores em partidas desse nível, é o ideal para aquilo que precisamos”.
 

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG