Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Mano dá nova chance a jogadores depois de deixá-los de "castigo"

Marcelo e Hernanes, que bobearam fora e dentro de campo, retomam espaço na seleção. Técnico rejeita que haja o castigo

Marcel Rizzo, enviado iG a Torréon |

Mano Menezes nega com firmeza que puna jogadores que de alguma maneira errem, dentro ou fora de campo. Mas no grupo da seleção brasileira que está em Torreón para enfrentar o México nesta terça-feira, às 22h30 de Brasília, há dois jogadores que deixaram de ser convocados por problemas distintos e que, de certo modo, foram perdoados. Marcelo parece ter assegurado de vez a titularidade da lateral esquerda e o treinador está tentando encontrar a melhor posição para Hernanes, que começa no banco, mas deve ter chance durante a partida.

LEIA MAIS: Hulk toma lugar de Fred no ataque da seleção

“Estou buscando meu espaço ainda. Não acho que tenha conquistado nada, dentro ou fora de campo. Tenho que jogar bem e pronto”, diz Marcelo, que se envolveu em confusão extra campo com Mano por não aceitar uma convocação em setembro de 2010, alegando lesão, e dias depois estar treinando no Real Madrid.

Getty Images
Expulso no amistoso contra a França, Hernanes não tinha mais sido convocado para a seleção brasileira

Houve também mal estar por um email enviado pelo atleta logo depois de ser cortado do amistoso contra a Escócia, em março de 2011. Marcelo avisou ai clube que era para não se preocupar porque não era nada grave e ele estaria “livre” para o clube.

VEJA TAMBÉMJefferson vai ser o titular da seleção depois de ser reserva do reserva 

“Não há punição. As convocações são feitas por análise dos jogadores, como estão nos clubes, pela presença na seleção. Claro que o jogador que rende mais, será chamado sempre”, disse Mano Menezes.

Depois de conversar com Marcelo, e de desistir de apostar em André Santos, Mano decidiu dar chance para o jogador que espera agora uma sequência como titular. Ele pensa até, por exemplo, nas Olimpíadas de Londres, em 2012, apesar de ter mais de 23 anos. O problema é que Mano não tem um jogador para a posição com idade olímpica.

“Quero estar em todas as convocações, todos os campeonatos. A lateral esquerda é uma posição complicada, normalmente ninguém quer jogar de lateral quando moleque. Se o atacante canhoto é lento, vai para a lateral. Mas adoro estar na seleção e só acho uma coisa impossível: substituir o Roberto Carlos”, disse Marcelo.

Pontapé

Mowa Press
Marcelo no treino em Torreón passando por Hulk. Feliz na seleção
Hernanes foi expulso ainda no primeiro tempo do amistoso contra a França, em fevereiro, depois de acertar um chute de caratê em Benzema. O Brasil sofreu o gol, perdeu o jogo e o jogador da Lazio não foi mais chamado. Oficialmente Mano questionava que, na Itália, Hernanes tem jogado de meia, e não de volante, posição que imagina para o ex-são-paulino. Contra a Costa Rica, Hernanes entrou no segundo tempo e atuou mais adiantado, como o meia que hoje é na Lazio. Foi assim também no treinamento coletivo deste domingo em Torreón, atuando pelo time reserva.

“O Hernanes é um jogador com qualidade de passe e pode atuar nas duas funções”, disse o treinador. Atualmente, quem está de “castigo” é André Santos, que falhou na derrota para a Alemanha e não foi chamado para os jogos contra Gana e pelo tour pela América Central e do Norte. Os preferidos da lateral esquerda são Marcelo e Adriano.


 

Leia tudo sobre: hernanesseleção brasileiramarcelofutebol mundial

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG