Mancini treina como lateral-direito, sua posição de origem, pela primeira desde que voltou ao Atlético-MG

Depois de atuar como meia e atacante, Mancini pode voltar a ser lateral-direito
Flickr/Clube Atlético Mineiro
Depois de atuar como meia e atacante, Mancini pode voltar a ser lateral-direito
Oito meses depois de retornar ao Atlético-MG , Mancini treinou pela primeira vez na sua posição de origem. O jogador foi o lateral-direito no coletivo entre os jogadores que não atuaram  desde o começo contra o Grêmio e o time de juniores do clube. Desde que se transferiu para o futebol italiano, em 2003, Mancini atuava como meia ou atacante.

Siga o iG Atlético-MG no Twitter e receba todas as informações do seu time

Mas com a falta de opções de Dorival Júnior para o setor, Mancini treinou como lateral-direito. Outras novidades no coletivo foram as presenças do volante Fillipe Soutto e Guilherme , que estão recuperados de lesões e podem enfrentar o Figueirense , neste sábado. O time atleticano no coletivo foi formado por Renan Ribeiro; Mancini, Réver, Luiz Eduardo e Guilherme Santos; Gilberto, Fillipe Soutto, Dudu Cearense e Daniel Carvalho; Guilherme e Jonatas Obina.

Entre para a Torcida Virtual do Atlético-MG e convide seus amigos

Na segunda parte do treino, o técnico Dorival Júnior fez muitas modificações na equipe, no entanto Mancini permaneceu na lateral-direita. O time, então, passou a ser formado por João Vitor; Mancini, Réver, Luiz Eduardo e Guilherme Santos; Toró, Dudu Cearense, Wendel e Giovanni Augusto; Wesley e Neto Berola.

Conversa com Dorival
Quando retornou ao Atlético-MG, Mancini fez questão de lembrar que o clube estava contratando um meia-atacante, não mais o lateral-direito que brilhou com a camisa alvinegra entre os anos 1999 e 2002. Porém, oito meses depois de trabalho com Dorival Júnior e uma conversa franca, Mancini foi lateral-direito no coletivo contra os juniores.

“O nosso diálogo sempre foi aberto. Ele me perguntou se eu jogaria e eu disse que sim, que não teria problema nenhum. É uma posição que joguei nos dois primeiros anos na Europa. Depois passei a jogar mais à frente, mas acredito que, com a readaptação, tudo melhora”.

O período de maior destaque no Atlético-MG foi o Brasileiro de 2002, quando o Atlético-MG atuava com três zagueiros e dois alas, comandado por Geninho. É justamente o esquema que Dorival Júnior usou nas últimas duas partidas e fez com que Mancini topasse voltar a jogar na direita. “Essa posição no 3-5-2 dá mais liberdade para os alas. Na minha última passagem, em 2002, fui muito bem. Com três jogadores de defesa, você tem mais liberdade para ser ofensivo”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.