Tamanho do texto

Há duas semanas, treinador disse que argentino “nunca” voltaria ao time. Questionado nesta sexta, ele disse apenas “não sei”

O técnico Roberto Mancini afirmou, nesta sexta-feira, que não sabe se o atacante Carlitos Tevez voltará a jogar pelo Manchester City . A declaração pode ser encarada como uma evolução otimista e pacífica do caso, já que há duas semanas o treinador disse que o argentino "nunca" voltaria ao grupo.

LEIA MAIS: Tevez volta ao City, mas não treina com o resto do elenco

Nesta sexta, o City voltou a proibir perguntas sobre Tevez na entrevista coletiva anterior à partida deste sábado contra o Aston Villa, pelo Campeonato Inglês. Mesmo assim, os jornalistas questionaram Mancini sobre o futuro do argentino no clube. "Não sei", disse o italiano, emendando que o City já tem atacantes suficientes para a temporada.

"Temos três artilheiros neste momento", assinalou o técnico italiano, que pode dar descanso neste sábado ao argentino Sergio "Kun" Agüero, com dores no adutor. A prioridade do City é o jogo pela Liga dos Campeões contra o Villarreal, na próxima semana. Além de Tevez , o City tem Dzeko, Balotelli e o próprio Aguero no elenco.

VEJA AINDA: Tevez e Hulk estão na mira da Inter de Milão, diz jornal

Punição incerta
Carlitos Tevez retornou aos treinos na quinta-feira, após duas semanas de suspensão por supostamente negar-se a entrar em campo diante do Bayern de Munique, pela Liga dos Campeões. A punição imposta pelo clube ainda é incerta, mas pode incluir mais quatro jogos de ausência e multa de seis semanas sem salário, o equivalente a R$ 2,4 milhões.

O clube vai comunicar a sanção na próxima semana ao jogador, que sustentou desde o primeiro momento que a situação não passou de um mal-entendido. Tevez , inclusive, cogita recorrer da decisão à Premier League, a liga de clubes que organiza os campeonatos na Inglaterra.

TEMPO REAL: Siga os jogos do Campeonato Inglês no final de semana

Encontro noturno
Na noite de quarta-feira, Tevez foi convidado a encontrar Mancini na casa do treinador. De acordo com o jornal “The Guardian”, o encontro foi cordial, embora o argentino tenha se recusado a pedir desculpas. Ele alega que jamais se negou a entrar em campo, como foi dito por Mancini. Por isso, também exige um pedido de desculpas do treinador.

*com agência EFE