Tamanho do texto

Atacante atleticano é o décimo maior artilheiro da história do Fluminense, onde ficou entre 1998 e 2002

Flickr/Clube Atlético Mineiro
Magno Alves vibrou muito com o gol diante do Vasco e o fim do jejum de nove jogos sem marcar
O jogo desta noite entre Atlético-MG e Fluminense vai marcar o reencontro de Magno Alves com o clube carioca. Foram cinco anos vestindo a camisa tricolor e sempre com muito sucesso e gols. Tanto que o atacante atleticano é o décimo maior artilheiro da história do Fluminense , com 111 gols em 265 partidas, que o levaram até a Seleção Brasileira.

Siga o iG Atlético-MG no Twitter e receba todas as informações do seu time

Mas o passado vitorioso e as boas lembranças dos tempos de Laranjeiras ficaram para trás. O presente do Magno Alves é o Atlético-MG e o time não vai nada bem no Campeonato Brasileiro. Com uma campanha ruim, o time mineiro é apenas o 15º colocado no Campeonato Brasileiro, mas com desempenho de equipe rebaixada .

Entre para a Torcida Virtual do Atlético-MG e convide seus amigos

Diante de todas as circunstâncias, Magno Alves só quer saber de uma coisa: vencer o Fluminense . “É especial como todos os jogos que disputa. É claro que é muito mais pelo tempo que passei lá, mas neste momento estou do outro lado. Ele estão vindo de vitória, a gente de derrota e temos de voltar a ter um sorriso verdadeiro, que só com as vitórias virá. Para isso temos o Fluminense pela frente, mais esse obstáculo e depende de nós para que possamos não distanciar e encostar um pouco no pelotão da frente”, comentou o Magnata, apelido que carrega da época que foi artilheiro do Brasileirão pelo Fluminense.

Magno Alves deixou o Fluminense em 2002, ao término do Brasileiro daquele ano, que para a equipe tricolor acabou numa semifinal contra o Corinthians . Ano passado, pelo Ceará , o atacante enfrentou o ex-clube e não foi feliz. Além de perder o jogo por 3 a 1, não marcou gol. Para fazer diferente nesta quarta-feira, Magno Alves conta com a motivação de ter marcado na última partida, depois de nove jogos de jejum.

“Fico feliz pelo gol e dá mais confiança para essa próxima partida, mais motivado. Mas seria bem melhor a vitória do que marcar gols. Mas por outro lado estou tendo felicidade por voltar a fazer gol depois de um longo tempo.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.