Tamanho do texto

Na eliminação da Libertadores e no primeiro jogo da final do Mineiro time terminou com dez jogadores

Acostumado a ser
Vipcomm
Acostumado a ser "caçado" em campo, Montillo perdeu a cabeça e foi expulso no clássico
Até a partida da volta das oitavas de final da Libertadores, o Cruzeiro orgulhava-se de ainda não ter tido nenhum jogador expulso na temporada . Mas as expulsões começaram e, com elas, os maus resultados. O curioso é que Roger e Montillo , dois meias habilidosos e que pouco marcam, receberam o cartão vermelho até aqui.

O time mineiro tinha adotado uma linha "fair play" e não havia recebido nenhum vermelho em 2011. Os números são da Footstats e estão disponíveis no aplicativo iG Esporte para iPhone e iPad. Agora, já são duas expulsões em duas partidas seguidas.

Tenha as estatísticas no seu iPhone e faça comparações entre times e jogadores

Contra o Once Caldas, Roger foi advertido com dois cartões amarelos depois de dar dois carrinhos infantis em adversários. O jogador deixou o time com um a menos ainda na primeira etapa. Era o início de uma das noites mais trágicas para o torcedor cruzeirense nos últimos tempos.

“Até hoje (quarta-feira passada) não tínhamos perdido ninguém expulso. Roger não é de dar carrinho”, estranhou o técnico Cuca na ocasião.

Na final do Campeonato Mineiro, foi a vez de outro armador deixar o campo mais cedo. O argentino Montillo recebeu o cartão vermelho diretamente por conta de um carrinho já nos acréscimos. O técnico Cuca reclamou da decisão do juiz Paulo César de Oliveira .

“Ele (juiz) carrega o amarelo no bolso da frente. Com a pressão do banco e da torcida, ele mudou e deu o vermelho. Hoje (domingo passado) faltou para ele aplicar a regra e não se deixar pelo grito do banco e da torcida. Ele prejudicou todo o trabalho dele ao tirar um jogador importantíssimo da final”, avaliou o treinador cruzeirense.