Tamanho do texto

Técnico afirma que Ronaldinho bateu com o carro e acredita que vitória pode reverter ambiente recheado de problemas no Flamengo

Vanderlei Luxemburgo sabe que, sem a classificação para a fase de grupos da Libertadores nesta quarta-feira, diante do Real Potosí, dificilmente se sustentará no Flamengo . Contudo, como já fizera antes do jogo de ida, na Bolívia , ele procurou deixar os problemas de lado e comentar apenas fatores relacionados à partida no Engenhão. Sobre o atraso de Ronaldinho Gaúcho (chegou 15 minutos após o horário marcado na segunda-feira), ele afirmou que foi por conta de um acidente de trânsito envolvendo o jogador, mas ressaltou que tudo foi explicado e minimizou a situação.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Bateu com o carro, chegou atrasado, falou comigo, me abraçou. Acho que é ruim pensar de uma forma dessa, que eu abri o treino para expor o jogador. Vocês conhecem todos os carros, não faz sentido. Não teve nenhuma conotação diferente", esclareceu. "As coisas que estão sendo noticiadas não é o que estou vendo aqui. Estou vendo um bom ambiente, com incidentes normais, um jogador que bate com um carro, chega um pouquinho atrasado, acho que o ambiente está muito legal. Mas uma vitória realmente muda essas coisas que estão sendo noticiadas. Faz parte do futebol".

Leia também: Antes de decisão com Potosí, Flamengo trabalha ambiente

Indagado sobre os problemas na pré-temporada e as constantes notícias de que sua permanência no Flamengo tem seus dias contados, ele procurou mostrar que não está preocupado com a situação.

Veja ainda: Patrícia Amorim banca Ronaldinho e manda recado a Luxemburgo

"Não há crise que fique a vida toda. Estamos vivendo momentos desconfortáveis, mas há jogo, há possibilidade de reverter a situação. No futebol, a cada quarta e domingo você pode mudar alguma coisa. Não vou mudar meu comportamento. No frigir dos ovos, está tudo dentro da normalidade. Não vejo nada de anormal, nem esses questionamentos, tudo é momentâneo. Aconteceu recentemente com o Felipão, com outro aqui ou lá, isso é o futebol. Faz parte. Isso não me incomoda mais, aprendi a conviver com isso ao longo da minha carreira", disse. "Vamos pensar no jogo, que é o mais importante. Se começarmos a discutir outras coisas, vamos desviar atenção".