Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Luxa inicia "tour" por estádios do Rio em busca do título carioca

Em 1995, técnico jogou pelos quatro cantos do estado. Neste sábado, em Edson Passos, enfrenta o América

Thales Soares, iG Rio de Janeiro |

Criado entre subúrbio do Rio e a Baixada Fluminense, Vanderlei Luxemburgo se acostumou a circular pelos estádios menores do Campeonato Carioca nos tempos de jogador. Agora, depois de um longo tempo, vai começar a perambular pelos quatro cantos do estádio na busca pelo seu primeiro título em sua terceira passagem pelo Flamengo. Neste sábado, às 17h, vai a Edson Passos enfrentar o América, pela segunda rodada da competição.

Sua última passagem pelo futebol do Rio aconteceu em 1995, no centenário do Flamengo. Na época, jogou no antigo Estádio Raulino de Oliveira, antes da principal obra no local, na Gávea com arquibancadas tubulares, em Friburgo, no Estádio Eduardo Guinle, no Godofredo Cruz, em Campos, na Rua Conselheiro Galvão, no Ítalo del Cima, no Proletário (Moça Bonita) e até em Três Rios, no Estádio Odair Gama.

Luxemburgo ainda não sabe o que esperar dos estádios pelo Rio. Por enquanto, a tabela da Taça Guanabara prevê jogos no remodelado Raulino de Oliveira e no novo estádio do Macaé, o Moacyrzão. Na Taça Rio, o Flamengo pode jogar em Moça Bonita e até nos Los Larios, estádio do Tigres, utilizado pelo Duque de Caxias.

"Não viajei ainda e não sei como estão os campos por aí. Mas o que acho uma pena mesmo é o Maracanã estar fechado e não poder receber jogos com grandes estrelas. Já imaginou um Fla-Flu, do jeito que os times estão, com o estádio lotado? Seria demais. Mas infelizmente não dá", disse Luxemburgo.

No momento, o grande estádio do Rio é o Engenhão, onde o Flamengo venceu o Volta Redonda, em sua estreia na competição. O local não agrada, principalmente pela relação entre a torcida e o time. O tamanho do campo, que em Edson Passos, é mais reduzido, é a menor das preocupações de Luxemburgo no momento.

"O maior problema do Engenhão é a acústica. A pista de atletismo mata um pouco a torcida. Quando ela fica mais próxima do time, é mais gostoso da um calor diferente", comentou.

Contra o América, o calor será outro. A temperatura na Baixada costuma castigar os jogadores, mesmo com o jogo às 17h. Quem nunca teve a oportunidade de jogar no estádio tenta se adaptar o mais rapidamente possível durante os treinamentos no Ninho do Urubu.

"É o mando deles, como vai ser contra o Macaé também. É mais uma dificuldade jogar num campo com o qual não estamos acostumados. Nosso objetivo é chegar à semifinal e para isso precisamos somar pontos. Precisamos superar o calor para isso", disse o zagueiro David, que nunca jogou em Edson Passos.

Ainda não será desta vez que a torcida poderá acompanhar Ronaldinho Gaúcho, Thiago Neves e o argentino Bottinelli. Os três ainda não têm condições de jogo. A única mudança em relação à estreia é a entrada de Marquinhos no lugar de Fierro, que teve problemas particulares e foi liberado por Luxemburgo.

No momento, o time lidera o Grupo A da Taça Guanabara com três pontos, ao lado do Resende. O Flamengo leva vantagem no saldo de gols. Nova Iguaçu, Americano, Boavista, América, Vasco e Volta Redonda completam o grupo.

FICHA TÉCNICA - AMÉRICA x FLAMENGO

Local: Estádio Giulite Coutinho, em Edson Passos
Data: 22 de janeiro de 2011
Horário: 17h (Horário de Brasília)
Árbitro: Gutemberg de Paula Fonseca (RJ)
Assistentes: Ediney Guerreiro Mascarenhas e Marco Aurélio dos Santos Pessanha (ambos do RJ)

AMÉRICA: Mota, Edson, Victor, Ronan e Bruno Santos (Felipe Assis); Ives, Rodolpho Fukamati, Luiz Araújo e Leandrinho; Hugo e Felipe Adão. Técnico: Gilson Gênio

FLAMENGO: Felipe, Leonardo Moura, Welinton, David e Egídio; Fernando, Willians, Marquinhos, Vander e Renato; Deivid. Técnico: Vanderlei Luxemburgo

Leia tudo sobre: FlamengoCampeonato Carioca 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG