Estreia do atacante, que admite ainda sentir dores, está confirmada para quarta-feira, diante do Avaí

Quase dois meses após o anúncio de sua contratação pelo São Paulo , a reestreia de Luis Fabiano pelo clube está confirmada para quarta-feira , diante do Avaí , pelas quartas de final da Copa do Brasil . Após o treino desta segunda-feira, que serviu para confirmar sua escalação, o atacante deu entrevista coletiva, e admitiu que voltará a jogar ainda sentindo dores.

Siga o iG São Paulo no Twitter e receba todas as informações do seu time em tempo real

“Eu me senti bem [no treino]. Não estou 100%, faltam ainda algumas coisas. Esse tipo de lesão cria uma fibrose que incomoda muito e só o tempo vai fazer parar de doer. Mas se estou jogando é porque tenho condição. Espero jogar pelo menos 70, 80 minutos. Treinei bastante a parte física, então acho que aguentaria uns 80 minutos se tudo correr bem, se for como foi hoje”, disse o camisa 9.

Apesar de reconhecer que voltará a jogar ainda com dores no joelho direito, lesão que o deixou afastado dos gramados por mais de dois meses, Luis Fabiano afirma que não está “indo para o sacrifício”, e que as dores são naturais nessa fase do processo de recuperação.

“Conversando com o doutor [José Sanchez] e com o treinador [Paulo César Carpegiani], decidimos que dá para jogar. Eu vou estrear porque estava programado. Tentei treinar dois dias antes da partida contra o Goiás pra ver como estaria, senti incômodo muito grande e adiou para essa partida. Mas está tudo dentro do normal, a dor hoje é suportável, então dá pra jogar tranquilo”, afirmou.

O atacante também descartou que sua volta aos gramados tenha sido apressada por consequência da eliminação são-paulina no Campeonato Paulista. “Não é porque perdeu o Paulista que estou apressando, até porque apressar poderia agravar a lesão e eu ficaria mais tempo parado. Estou indo porque tenho condição”.

nullLuis Fabiano reconheceu que as dores que ainda sentem podem limitar duas de suas principais características. “A dor incomoda um pouquinho em certos movimentos, como no giro, ou quando arranco. Mas não tem jeito, seria impossível esperar a dor sumir para voltar a jogar. A tendência é ela ir sumindo com o tempo”, afirmou.

Por fim, o atacante disse não se ver como "salvador da pátria" no São Paulo. "Salvador eu não sou. Ninguém ganha sozinho. Conto com a ajuda de todos, venho pra contribuir, dar meu melhor, fazer gols, ajudar os garotos, trazer experiencia, até ser um tipo de irmão ali dentro pra ajudar, mas salvador eu não sou. Sei da minha responsabilidade, do que sou capaz, mas não dá, sozinho ninguém faz nada".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.