Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Litígio com a DIS pode tirar ¿promovidos de Adilson¿ do Santos

Geovanne, Crystian, Tiago Alves e Dimba são ligados a DIS, que trava batalha na justiça com o Santos

Samir Carvalho, iG Santos |

O Santos corre os risco de perder para os rivais algumas de suas principais revelações da Copa São Paulo de Juniores deste ano. Entre eles, quatro jogadores que foram promovidos ao elenco profissional pelo técnico Adilson Batista: o volante Geovanne, o lateral-direito Crystian e os atacantes Tiago Alves e Dimba. Isso porque todos eles são ligados a DIS, braço esportivo do Grupo Sonda, que trava uma briga na justiça com o Santos.

O iG apurou que a empresa não está satisfeita com a postura do clube em relação a renovação de contrato dos jovens talentos da Copa São Paulo. Se não bastasse, Corinthians e Palmeiras, que mantém bom relacionamento com a DIS, já manifestaram interesse pelos jogadores.

O técnico Adilson Batista ignorou o litígio entre Santos e DIS, e já adiantou que os quatro jogadores da empresa, além do volante Elivelton, começarão a treinar com o time profissional na reapresentação do elenco na próxima terça-feira, no CT Rei Pelé. O treinador aprovou o desempenho dos atletas na Copa São Paulo, competição na qual o Santos foi eliminado pelo Bahia na última quinta-feira.

“Eu já tenho os nomes selecionados e passei para o Nei (Pandolfo, gerente de futebol). São dois laterais, um volante e dois atacantes. Vou adiantar os nomes para facilitar para vocês (imprensa), é Geovanne, Elivelton, Crystian, Tiago Alves e Dimba”, afirmou Adilson Batista.

Divulgação
Tiago Alves foi elogiado por Adilson
Além de ignorar a batalha judicial entre clube e empresários, o treinador brincou em entrevista coletiva com a situação dos jovens atletas. “Quer saber quem será promovido por quê? Você (repórter) é empresário de algum deles. Eles virão se juntar conosco na terça. Esse final de semana vou deixá-los correrem na praia e sonharem com um aumento salarial”, disse o técnico, que tentou descontrair os garotos, lembrando quando foi promovido à equipe profissional do Atlético-PR, em 1986.

“Quando saiu no jornal que o Adilson ia ser promovido, eu fiquei louco. Saí correndo até não sei onde, quase cheguei até Paranaguá correndo. Eu lembro que fiquei louco em 1986, no Atlético-PR, anunciaram que eu ganharia (o equivalente a) R$ 5 mil”, brincou Adilson.

Entenda o motivo da briga entre Santos e DIS

A DIS e o Santos disputam na justiça os direitos econômicos adquiridos de sete atletas formados na Vila Belmiro durante a gestão de Marcelo Teixeira. Recentemente, os empresários reverteram na justiça à liminar concedida na 5ª Vara Cível da cidade de Santos, que obrigava a DIS a devolver ao Santos os direitos sobre os jogadores. Com a decisão, os empresários voltaram a adquirir a porcentagem de 45% dos direitos econômicos do meia Paulo Henrique Ganso. A DIS recuperou 25%, já que o restante a empresa comprou do próprio atleta.

O clube acredita que a DIS deveria ter comprado os direitos de cada atleta tendo por base o valor da multa rescisória contratual. Na negociação de Paulo Henrique, por exemplo, o Santos alegou que a empresa não desembolsou a porcentagem referente a 50 milhões de euros, valor estipulado da multa rescisória do jogador. Porém, o valor da multa era bem menor na época da negociação.

O Santos alegou na justiça que a DIS adquiriu em dois anos (2008 e 2009), 25% dos direitos econômicos de sete atletas, pagando apenas 138 mil euros (cerca de R$ 320 mil) por cada jogador. Além de Ganso, a DIS possui os direitos dos seguintes jogadores: 50% dos atletas da base Crystian e Paulo Henrique, 30% de Marcus Alemão e Kassio, 15% de Geovane, e 40% de Anderson Planta. Além deles, a empresa possui 45% de Alan Patrick e 20% de Breitner. A DIS ainda possui 40% dos direitos econômicos de Neymar, que foram comprados da família do jogador.

Leia tudo sobre: santosdisadilson batista

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG