Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Laterais são as posições menos badaladas no Vasco em 2011

Ramon acredita que ele e Fágner estão convencendo, por isso o clube não reforçou tanto o setor defensivo

Hilton Mattos, iG Rio de Janeiro |

O Vasco de 2011 é bem mais badalado do que as equipes montadas em anos anteriores. Na temporada atual, o clube contratou jogadores de peso. Além dos que já estavam, como Fernando Prass, Dedé e Felipe, a diretoria trouxe Diego Souza, Leandro e Alecsandro. Para cada setor, um reforço. Mas e as laterais? Pois bem, estas são as únicas posições que não foram mexidas.

“Se não contratam é porque estou dando conta do recado, estou fazendo por merecer”, diz o lateral-esquerdo Ramon, de 22 anos, no Vasco desde 2010.

Fotocom
Ramon, com apenas 22 anos, tem a confiança do técnico Ricardo Gomes
Desde os últimos times montados no fim da gestão Eurico Miranda, a cobrança por nomes à altura da tradição do clube é senso comum em São Januário. Da equipe campeã da Série B do Campeonato Brasileiro, em 2009, o meia Carlos Alberto era o único jogador de expressão. Os rivais passaram a provocar os vascaínos com piadas como “time de crachá”.

Este ano, com o aumento das receitas, os dirigentes ousaram. Reforçaram o elenco prometendo campanhas honrosas nas quatro competições ao longo da temporada (Carioca, Copa do Brasil, Copa Sul-Americana e Brasileiro). Só não mudaram os laterais. Ramon avisa que não teme cobranças, pois não considera sua posição e a de Fágner as menos prestigiadas do elenco.

“Temos a confiança do treinador. Para nós é importante a manutenção no grupo. Somos jovens (Ramon tem 21 anos) e queremos ganhar experiência. Se não estão trazendo ninguém para a nossa posição, bom para a gente. Por um lado, nos obriga a ficar mais atentos para não acharem que as laterais também precisam de reforços”, observou Ramon.

E assim, meio despercebidos, os laterais vão se firmando na equipe hoje reforçada de estrelas. A melhor maneira de aparecer, conta Ramon, é ajudando a defesa do Vasco seguir sem sofrer gol (Prass está invicto há quatro partidas). “É uma maneira de a gente ficar em evidência”, destaca o lateral-esquerdo.

A outra é mostrando eficiência no ataque. “A gente acaba sendo coadjuvantes, já que participamos muito das jogadas na frente. Sem se descuidar atrás e dando assistência, ninguém se compromete e cumprimos bem nosso papel”.
 

Leia tudo sobre: vascoramon

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG